Glossectomia total na era de preservação de órgão - Resultados funcionais e sobrevida

Autores

  • Susana Pereira Serviço de Otorrinolaringologia do Centro Hospitalar Universitário de Lisboa Central, Portugal,
  • Rui Fino Serviço de Otorrinolaringologia do Instituto Português de Oncologia de Lisboa Francisco Gentil, Portugal
  • Pedro Montalvão Serviço de Otorrinolaringologia do Instituto Português de Oncologia de Lisboa Francisco Gentil, Portugal
  • Marta Mariano Serviço de Otorrinolaringologia do Centro Hospitalar Universitário de Lisboa Central, Portugal
  • Marta Melo Serviço de Otorrinolaringologia do Hospital Professor Doutor Fernando Fonseca, Portugal
  • Luís Castelhano Serviço de Otorrinolaringologia do Centro Hospitalar de Lisboa Ocidental, Portugal
  • Miguel Magalhães Serviço de Otorrinolaringologia do Instituto Português de Oncologia de Lisboa Francisco Gentil, Portugal

DOI:

https://doi.org/10.34631/sporl.953

Palavras-chave:

cirurgia da cabeça e pescoço, tumor da língua oral, tumor da base da língua, glossectomia total, reconstrução com retalho

Resumo

Objetivos: Avaliação de doentes submetidos a glossectomia total (GT).

Material e Métodos: Estudo retrospetivo que incluiu os doentes submetidos a GT entre 2009 e 2018 no serviço de Otorrinolaringologia do IPOLFG.

Resultados: Foram incluídos 27 doentes. A vasta maioria dos doentes (78%) apresentava tumor em estadio avançado (IV). A GT foi realizada como tratamento de resgate em 56% dos casos. A reconstrução foi maioritariamente realizada recorrendo a retalho de grande peitoral (59%). 93% dos doentes foram laringectomizados. 30% dos doentes alcançaram função da deglutição adequada. No período de follow-up médio de 21 meses, 14 (52%) doentes recidivaram. As taxas de sobrevida a 1 e 5 anos foram de 52% e 22%.

Conclusões: A GT foi maioritariamente realizada em casos de recidiva de doença após protocolo de preservação de órgão. Tem um impacto na qualidade de vida ao afetar quer a deglutição quer a fala. São doentes com recidiva locoregional elevada e com taxa de sobrevida baixa, mas é uma opção importante quando as alternativas terapêuticas são limitadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Han AY, Kuan EC, Mallen-St Clair J, Badran KW, Palma Diaz MF, Blackwell KE. et al. Total glossectomy with free flap reconstruction: twenty-year experience at a Tertiary Medical Center. Laryngoscope. 2019 May;129(5):1087-1092. doi: 10.1002/lary.27579.

Kamhieh Y, Fox H, Healy S, Hallett E, Quine S, Owens D. et al. Total glossolaryngectomy cohort study (N = 25): Survival, function and quality of life. Clin Otolaryngol. 2018 Oct;43(5):1349-1353. doi: 10.1111/coa.13121.

Quinsan ICM, Costa GC, Priante AVM, Cardoso CA, Nunes CLS. Functional outcomes and survival of patients with oral and oropharyngeal cancer after total glossectomy. Braz J Otorhinolaryngol. Sep-Oct 2020;86(5):545-551. doi: 10.1016/j.bjorl.2019.02.005.

van Lierop AC, Basson O, Fagan JJ. Is total glossectomy for advanced carcinoma of the tongue justified? S Afr J Surg [Internet] 2008 Feb;46(1):22-5. Available from: https://hdl.handle.net/10520/EJC66740

Sinclair CF, Carroll WR, Desmond RA, Rosenthal EL. Functional and survival outcomes in patients undergoing total glossectomy compared with total laryngoglossectomy. Otolaryngol Head Neck Surg. 2011 Nov;145(5):755-8. doi: 10.1177/0194599811412724.

Vartanian JG, Magrin J, Kowalski LP. Total glossectomy in the organ preservation era. Curr Opin Otolaryngol Head Neck Surg. 2010 Apr;18(2):95-100. doi: 10.1097/MOO.0b013e3283376c3f

Publicado

2021-12-17

Como Citar

Pereira, S., Fino, R., Montalvão, P., Mariano, M., Melo, M., Castelhano, L. ., & Magalhães, M. . (2021). Glossectomia total na era de preservação de órgão - Resultados funcionais e sobrevida. Revista Portuguesa De Otorrinolaringologia E Cirurgia De Cabeça E Pescoço, 59(4), 341-346. https://doi.org/10.34631/sporl.953

Edição

Secção

Artigo Original

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)

1 2 3 4 5 > >>