Impacto da pandemia covid-19 na prestação de cuidados e na utilização da telemedicina em otorrinolaringologia: A realidade portuguesa

Autores

  • Ana Isabel C. Gonçalves Hospital Pedro Hispano, Portugal
  • André Carção Hospital Pedro Hispano, Portugal
  • Delfim Duarte Hospital Pedro Hispano, Portugal
  • Ditza Vilhena Hospital Pedro Hispano, Portugal

DOI:

https://doi.org/10.34631/sporl.926

Palavras-chave:

COVID-19, SARS-CoV-2, pandemia, telemedicina, otorrinolaringologia

Resumo

Introdução: A pandemia de doença coronavírus 2019 (COVID-19) provocou reestruturações profundas nos sistemas de cuidados de saúde em todo o mundo. As instituições de saúde concentraram os seus recursos na abordagem da COVID-19 e houve restrição de atividades em outras áreas. Por outro lado, foi estimulado o recurso à telemedicina, que consiste na prestação de serviços clínicos e educacionais remotamente, mas mantendo a interação em tempo real, através do recurso a meios audiovisuais. A especialidade de Otorrinolaringologia (ORL) representa uma das muitas especialidades cuja atividade clínica e cirúrgica sofreu alterações, em virtude das medidas impostas. 

Objetivos: Pretendemos avaliar o impacto da COVID-19 na prestação de cuidados e na utilização da telemedicina em ORL em Portugal, durante o Estado de Emergência (22 de março a 2 de maio de 2020), na esperança de que estes dados possam vir a ser úteis como referência futura em novas vagas da COVID-19 ou numa eventual nova ameaça de saúde pública, tendo sempre em vista a melhoria da prestação dos cuidados de saúde. 

Material e Métodos: Aplicação de um questionário anónimo, desenvolvido através da ferramenta Google Forms e enviado por correio eletrónico a todos os Diretores/Coordenadores de Serviços/Unidades de ORL do país. O questionário compreende 35 questões de resposta múltipla ou simples. 

Resultados: Obtivemos uma taxa de resposta ao questionário de 56,5%. Previamente ao início da pandemia, apenas 7,7% dos Serviços recorria à telemedicina, na forma de contacto telefónico e prescrição eletrónica médica (PEM). Por sua vez, durante o Estado de Emergência, 84,6% passaram a recorrer à telemedicina. Durante este período, 96,2% dos Serviços mantiveram atividade clínica com restrições e 3,8% não manteve qualquer atividade, sendo que a maioria manteve menos de 50% da sua atividade habitual. Relativamente à atividade de consulta e de bloco operatório, 96,2% dos Serviços apenas realizaram consulta urgente/oncológica e 80,8% apenas realizaram cirurgias de caráter urgente/ patologia oncológica programada, sendo que 3,8% não realizaram qualquer consulta e 19,2% não tiveram qualquer atividade cirúrgica. De todos os Serviços de ORL que participaram neste estudo, 57,7% não considerou que tivesse havido um aumento de contactos por parte dos doentes durante o Estado de Emergência. Uma vez ultrapassada a pandemia por COVID-19, 65,4% dos Serviços considera poder implementar/manter o recurso à telemedicina em situações específicas, nomeadamente, na maioria dos casos (82,4%) por contacto telefónico com o doente e PEM. Em condições de normalidade, 46,2% consideram que a telemedicina em ORL acrescenta qualidade ao serviço prestado aos doentes, com 50% a considerarem também que esta modalidade melhora o acesso aos cuidados de saúde e que pode ser aplicada, em algumas situações, a especificidades dos doentes do foro ORL (57,7%). No entanto, 73,1% consideram que a telemedicina não é aplicável à maioria dos doentes, por questões de literacia. 

Conclusões: O estado de emergência que vigorou no nosso país, devido à pandemia COVID-19, alterou a prática clínica em ORL, com a suspensão da atividade eletiva presencial em todos os Serviços, tendo havido uma aposta na telemedicina, como forma de permitir o contacto com estes doentes, mantendo-se presencial apenas a consulta clínica e o tratamento cirúrgico de patologias de caráter urgente e do foro oncológico. Este período crítico pode ter estimulado uma eventual maior utilização futura da telemedicina. Contudo, o impacto clínico destas alterações na qualidade do serviço prestado e na saúde dos doentes não foi avaliado, pelo que são necessários mais estudos com vista à investigação dos resultados clínicos e eventuais ganhos em saúde. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

- Kasle DA, Torabi SJ, Savoca EL, Judson BL, Manes RP. Outpatient otolaryngology in the era of COVID-19: a data-driven analysis of practice patterns. Otolaryngol Head Neck Surg. 2020 Jul;163(1):138-144. doi: 10.1177/0194599820928987.

- Guo YR, Cao QD, Hong ZS, Tan YY, Chen SD, Jin HJ. et al. The origin, transmission and clinical therapies on coronavirus disease 2019 (COVID-199 outbreak – an update on the status. Mil Med Res. 2020 Mar 13;7(1):11. doi: 10.1186/s40779-020-00240-0.

- Krajewska K, Krajewski W, Zub K, Zatonski T. COVID-19 in otolaryngologist practice: a review of current knowledge. Eur Arch Otorhinolaryngol. 2020 Jul;277(7):1885-1897. doi: 10.1007/s00405-020-05968-y.

- Brody RM, Albergotti WG, Shimunov D, Nicolli E, Patel UA, Harris BN. et al. Changes in head and neck oncologic practice during the COVID-19 pandemic. Head Neck. 2020 Jul;42(7):1448-1453. doi: 10.1002/hed.26233.

- Chan Y, Wong W, Lam W. Practical aspects of otolaryngologic clinical services during the 2019 novel coronavirus epidemic. An experience in Hong Kong. JAMA Otolaryngol Head Neck Surg. 2020 Jun 1;146(6):519-520. doi: 10.1001/jamaoto.2020.0488.

- Givi B, Schiff BA, Chinn SB, Clayburgh D, Iyer NG, Jalisi S. et al. Safety recommendations for evaluation and surgery of the head neck during the COVID-19 pandemic. JAMA Otolaryngol Head Neck Surg. 2020 Jun 1;146(6):579-584. doi: 10.1001/jamaoto.2020.0780.

- Grag K, Shunhanshu K. Effect of COVID-19 in otorhinolaryngology practice: a review. Indian J Otolaryngol Head Neck Surg. 2020 Aug 18;1-4. doi: 10.1007/s12070-020-02040-3.

- Ibekwe TS, Fasunla AJ. Telemedicine in otorhinolaryngological practice during COVID-19 pandemic. Niger Med J. May-Jun 2020;61(3):111-113. doi: 10.4103/nmj.NMJ_201_20.

- Itamura K, Rimell FL, Illing EA, Higgins TS, Ting JY, Lee MK. et al. Assessment of patient experiences in otolaryngology virtual visits during the COVID-19 pandemic. OTO Open. 2020 Jun 8;4(2):2473974X20933573. doi: 10.1177/2473974X20933573.

- Layfield E, Triantafillou V, Prasad A, Deng J, Shanti RM, Newman JG. et al. Telemedicine for head and neck ambulatory visits during COVID-19: evaluating usability and patient satisfaction. Head Neck. 2020 Jul;42(7):1681-1689. doi: 10.1002/hed.26285.

- Kowalski LP, Sanabria A, Ridge JA, Ng WT, de Bree R, Rinaldo A. et al. COVID-19 pandemic: effects and evidence-based recommendations for otolaryngology and head and neck surgery practice. Head Neck. 2020 Jun;42(6):1259-1267. doi: 10.1002/hed.26164.

- Ohlstein JF, Garner J, Takashima M. Telemedicine in Otolaryngology in the COVID-19 Era: inicial lessons learned. Laryngoscope. 2020 Nov;130(11):2568-2573. doi: 10.1002/lary.29030.

- Pollock K, Setzen M, Svider PF. Embracing telemedicine into your otolaryngology practice amid the COVID-19 crisis: an invited commentary. Am J Otolaryngol. May-Jun 2020;41(3):102490. doi: 10.1016/j.amjoto.2020.102490.

- Singh AK, Kasle DA, Jiang R, Sukys J, Savoca EL, Z Lerner M. et al. A review of telemedicine applications in otorhinolaryngology: considerations during the coronavirus disease of 2019 pandemic. Laryngoscope. 2020 Sep 17;10.1002/lary.29131. doi: 10.1002/lary.29131.

- Sociedade Portuguesa de Otorrinolaringologia e de Cirurgia da Cabeça e Pescoço. (SPORL-CCP) Recomendações relativas ao risco de infeção pelo COVID-19. [Internet] [updated 2020; cited 2020 30 October]. Available from: http://www.sporl.pt/covid/COVID-19.

- A health telematics policy in support of WHO’s health-for-all strategy for global health development: report of the WHO group consultation on health telematics, 11-16 December, Geneva, 1997. World Health Organization, 1998. Available from: https://apps.who.int/iris/handle/10665/63857.

- Jiang W, Magit AE, Carvalho D. Equal access to telemedicine during COVID-19 pandemic: a pediatric otolaryngology perspective. Laryngoscope. 2020 Sep 24;10.1002/lary.29164. doi: 10.1002/lary.29164.

- Fieux M, Duret S, Bawazeer N, Denoix L, Zaouche S, Tringali S. Telemedicine for ENT: effect on quality of care during COVID-19 pandemic. Eur Ann Otorhinolaryngol Head Neck Dis. 2020 Sep;137(4):257-261. doi: 10.1016/j.anorl.2020.06.014.

- Sclafani AP, Heneghan C, Ginsburg J, Sabini P, Stern J, Dolitsky JN. Teleconsultation in otolaryngology: live versus store and forward consultations. Otolaryngol Head Neck Surg. 1999 Jan;120(1):62-72. doi: 10.1016/S0194-5998(99)70371-2.

Freitas, Maria da Graça G. COVID-19: diagnóstico laboratorial. Orientação da Direção Geral da Saúde Nº 015/2020 de 23/03/2020 atualização em 24/04/2020 Disponível em https://www.dgs.pt/directrizes-da-dgs/orientacoes-e-circulares-informativas/orientacao-n-0152020-de-23032020-pdf.aspx

Maffia F, Fontanari M, Vellone V, Cascone P, Mercuri LG. Impact of COVID-19 on maxillofacial surgery practice: a worldwide survey. Int J Oral Maxillofac Surg. 2020 Jun;49(6):827-835. doi: 10.1016/j.ijom.2020.04.015.

Svider PF, Setzen M, Ow R, Folbe AJ. Incorporation of telemedicine by rhinologists: the COVID-19 pandemic and beyond. Am J Otolaryngol. Nov-Dec 2020;41(6):102567. doi: 10.1016/j.amjoto.2020.102567.

Lescanne E, van der Mee-Marquet N, Juvanon JM et al. Best practice recommendations: ENT consultations during COVID-19 pandemic. Eur Ann Otorhinolaryngol Head Neck Dis. 2020 Sep;137(4):303-308. doi: 10.1016/j.anorl.2020.05.007.

Olayiwola JN, Magaña C, Harmon A, Nair S, Esposito E, Harsh C. et al. Telehealth as a bright spot of the COVID-19 pandemic: recommendations from the virtual frontlines (“frontweb”). JMIR Public Health Surveill. 2020 Jun 25;6(2):e19045. doi: 10.2196/19045.

Mehrotra A, Ray K, Brockmeyer DM, Barnett ML et al. Rapidly converting to “virtual practices”: outpatient care in the era of COVID-19. NEJM Catalyst Innovations in Care Delivery. [Internet] 2020. Apr 1 Available from: https://catalyst.nejm.org/doi/full/10.1056/CAT.20.0091

Prasad A, Carey RM, Rajasekaran K. Head and neck virtual medicine in a pandemic era: lessons from COVID-19. Head Neck. 2020 Jun;42(6):1308-1309. doi: 10.1002/hed.26174.

Meng X, Dai Z, Hang C, Wang Y. Smartphone-enabled wireless otoscope-assisted online telemedicine during the COVID-19 outbreak. Am J Otolaryngol. May-Jun 2020;41(3):102476. doi: 10.1016/j.amjoto.2020.102476.

Calton B, Abedini N, Fratkin M. Telemedicine in the time of coronavirus. J Pain Symptom Manage. 2020 Jul;60(1):e12-e14. doi: 10.1016/j.jpainsymman.2020.03.019.

Holt GR. Contemporary ethical considerations in clinical otolaryngology. Laryngoscope Investig Otolaryngol. 2020 Jul 29;5(4):778-781. doi: 10.1002/lio2.438.

Publicado

2021-06-09

Como Citar

C. Gonçalves, A. I., Carção, A., Duarte , D. ., & Vilhena , D. (2021). Impacto da pandemia covid-19 na prestação de cuidados e na utilização da telemedicina em otorrinolaringologia: A realidade portuguesa. Revista Portuguesa De Otorrinolaringologia E Cirurgia De Cabeça E Pescoço, 59(2), 195-206. https://doi.org/10.34631/sporl.926

Edição

Secção

Artigo Original

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)

<< < 1 2 3 > >>