Deiscência bilateral do canal semi-circular superior - Causa rara de desequilíbrio e acufeno pulsátil

Autores

  • Patrícia Melo Assistente Hospitalar, Serviço de Otorrinolaringologia, Centro Hospitalar de Lisboa Central, Hospital de S. José, Portugal
  • Luís Marques Pinto Chefe de Serviço, Serviço de Otorrinolaringologia, Centro Hospitalar de Lisboa Central, Hospital de S. José, Portugal
  • Cecília Elias Interna do Internato Complementar, Serviço de Otorrinolaringologia, Centro Hospitalar de Lisboa Central, Hospital de S. José, Portugal
  • Ezequiel Barros Chefe de Serviço, Coordenador do Serviço de Otorrinolaringologia do Centro Hospitalar de Lisboa Central, Hospital de S. José, Portugal

DOI:

https://doi.org/10.34631/sporl.78

Palavras-chave:

deiscência do canal semi-circular superior, autofonia, oscilópsia, desequilíbrio, potenciais miogénicos vestibulares evocados, diagnóstico, terapêutica

Resumo

Introdução: A síndrome da deiscência do canal semi-circular superior (SDCSS) é uma entidade clínica recentemente reconhecida, inicialmente descrita por Minor et al. em 1998. O mecanismo fisiopatológico subjacente relaciona-se com a existência de uma deiscência óssea do canal semi-circular superior ao nível da fossa média criando uma “terceira janela” que produz uma via de menor resistência, favorecendo a dissipação da energia acústica através do labirinto vestibular e alterando a dinâmica da endolinfa no canal semi-circular superior. As manifestações clínicas podem ser muito variadas. Os sintomas mais frequentes são: vertigem ou oscilópsia induzidas por sons intensos (fenómeno de Tullio) ou variações de pressão, desequilíbrio, hipoacúsia, autofonia ou acufeno. O sinal mais típico caracteriza-se por um nistagmo verticotorsional induzido por sons intensos ou variações de pressão.

Material e métodos: Os autores apresentam um caso clínico de deiscência bilateral do canal semi-circular superior, manifestada por desequilíbrio e acufeno pulsátil e demonstram a utilidade da pesquisa do Potencial miogénico vestibular evocado (PMVE) no diagnóstico desta entidade frequentemente sub-diagnosticada.

Resultados: O diagnóstico é essencialmente clínico e corroborado pelos exames audiométricos e vestibulares (surdez de condução ou mista com diminuição do limiar de condução óssea nas frequências graves e reflexos estapédicos presentes). O teste vestibular mais específico para o diagnóstico do SDCSS consiste na pesquisa do PMVE cujos limiares se encontram tipicamente diminuídos e com amplitude aumentada. A confirmação diagnóstica é feita por com Tomografia computorizada de alta resolução. Na maioria dos casos a terapêutica é conservadora com evicção dos estímulos desencadeantes. A terapêutica cirúrgica tem indicação nos doentes com sintomas graves e incapacitantes.

Conclusões: A SDCSS é uma entidade relativamente rara e possivelmente sub-diagnosticada. Nem todos os doentes apresentam um quadro clínico típico, sendo necessário um elevado grau de suspeição assim como observação clínica e avaliação audiométrica rigorosas. A pesquisa do Potencial miogénico vestibular evocado é um teste recentemente descrito e que se tem revelado muito útil no diagnóstico destes doentes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Minor L, Solomon D, Zinreich J, Zee D. Sound and/or pressure induced vertigo due to bone dehiscence of the superior semicircular canal. Arch Otolaryngol Head Neck Surg. 1998; 124: 249-258.

Carey J, Minor L, Nager T. Dehiscence or thinning of bone overlying the superior semicircular canal in a temporal bone survey. Arch Otolaryngol Head Neck Surg. 2000; 126: 137-147.

Williamson R, Vrabec J, Coker N, Sandlin M. Coronal computed tomography prevalence of superior semicircular canal dehiscence. Otolaryngol Head Neck Surg. 2003; 129: 481-489.

Branstetter B, Harrigal C, Escott E, Hirsch B. Superior semicircular canal dehiscence: oblique reformatted CT images for diagnosis. Radiology. 2006; 238: 938-942.

Minor L. Clinical manifestations of superior semicircular canal dehiscence. Laryngoscope; 115: 1717- 1727.

Banerjee A, Whyte A, Atlas. Superior canal dehiscence: review of a new condition. Clin Otolaryngol. 2005; 30: 9-15.

Watson S, Halmagyi G, Colebatch j. Vestibular hypersensitivity to sound (Tullio phenomenon): structural and functional assessment. Neurology. 2000; 54: 722-728.

Brantberg K, Bergenius J, Mendel L, Witt H, Tribukait A et al. Symptoms, findings and treatment in patients with dehiscence of the superior semicircular canal. Acta Otolaryngol. 2001; 121: 68-75.

Minor L. Superior canal dehiscence syndrome. Am J Otol. 2000; 21:9-19.

Minor J, Cremer P, Carey J, et al. Symptoms and signs of superior canal dehiscence syndrome; Ann N Y Acad Sci. 2001; 942: 259-273.

Laperrière S, Bertholon P, Chardon S, Prades J. Déhiscence du canal semi-circulaire supérieure. Fr ORL. 2006; 91: 249-256.

Bastian D, Tran Ba Huy P. Organogenèse de l’oreille moyenne. Encycl Méd Chir (Elsevier Paris), Oto-rhino-laryngologie, 20-005-A-30, 1996, p.6.

Brantberg K, Bergenius J, Tribukait A. Vestibular-evoked myogenic potentials in patients with dehiscence of the superior semicircular canal. Acta Otolaryngol (Stockh). 1999; 119: 633-640.

Curtin H. Superior semicircular canal dehiscence syndrome and multi-detector row CT. Radiology. 2003; 226 (2): 312-314.

RosowskiJ, Songer J, Nakajima H, Brinsko K et al. Clinical, experimental and theoretical investigations of the effect of superior semicircular canal dehiscence on hearing mechanisms. Otol Neurotol. 2004; 25: 323-332.

Minor L, Carey J, Lustig L, Streubel S et al. Dehiscence of bone overlying the superior canal as a cause of apparent conductive hearing loss. Otol Neurotol. 2003; 24: 270-278.

Streubel S, Cremer P, Carey J, Minor L et al. Vestibular-evoked myogenic potentials in the diagnosis of superior canal dehiscence syndrome. Acta Otolaryngol. 2001; Suppl 545: 41-49.

Brantberg K, Verrecchia L. Testing vestibular-evoked myogenic potentials with 90-dB clicks is effective in the diagnosis of superior canal dehiscence syndrome. Audiol Neurotol. 2009; 14: 54-58.

Roditi R, Eppsteiner R, Sauter T, Lee D. Cervical vestibular evoked myogenic potentials (cVEMPs) in patients with superior canal dehiscence syndrome (SCDS). Otolaryngol Head Neck Surg. 2009; 141:24-28.

Colebatch J, Halmagyi G, Skuse N. Myogenic potentials generated by a click-evoked vestibulocollic reflex. J Neurol Neurosurg Psychiatry. 1994; 57; 190-197.

Colebatch J, Day B, Bronstein A, Davies R, Luxon L et al. Vestibular hypersensitivity to clicks is characteristic of the Tullio phenomenon. J Neurol Neurosurg Psychiatry. 1998; 65: 670-678.

Belden J, Weg N, Minor L, Zinreich S. CT evaluation of bone dehiscence of the superior semicircular canal as a cause of sound and/or pressure-induced vertigo. Radiology. 2003.226: 337-343.

Phililips D, Souter M, VitkovitchJ, Briggs R. Diagnosis and outcomes of middle cranial fossa repair for patients with superior semicircular canal dehiscence syndrome. J Clin Neurosci. 2010; 17: 339-341.

Teixido M, Artz G, Kung B. Clinical experience with symptomatic superior canal dehiscence in a single neurotologic practice. Otolaryngol Head Neck Surg. 2008; 139: 405-413.

Como Citar

Melo, P., Pinto, L. M., Elias, C., & Barros, E. (1). Deiscência bilateral do canal semi-circular superior - Causa rara de desequilíbrio e acufeno pulsátil. Revista Portuguesa De Otorrinolaringologia E Cirurgia De Cabeça E Pescoço, 50(4), 345-352. https://doi.org/10.34631/sporl.78

Edição

Secção

Caso Clínico

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)

1 2 3 > >>