Estudo comparativo retrospetivo entre o uso de micro-broca vs perfurador na fenestração da platina no tratamento cirúrgico da otosclerose

  • João Carvalho de Almeida Centro Hospitalar do Porto http://orcid.org/0000-0001-7727-8703
  • Ângela Reis Rego Centro Hospitalar do Porto
  • João Vale Lino Centro Hospitalar do Porto
  • José Gameiro dos Santos Centro Hospitalar do Porto
  • Cecília Almeida e Sousa Centro Hospitalar do Porto
Palavras-chave: Otosclerose, Estapedotomia, Fenestração

Resumo

Objetivos: Caraterizar a população de doentes submetida a tratamento cirúrgico da otosclerose, no Serviço de ORL no Centro Hospitalar do Porto, e comparar retrospetivamente o uso de microbroca vs perfurador; Avaliar os resultados auditivos, a duração da cirurgia e a duração do internamento após a cirurgia, comparando o uso de micro-broca com o de perfurador para fenestração da platina do estribo.

Métodos: Foram analisados retrospetivamente todos os doentes submetidos a cirurgia estapédica, entre janeiro de 2016 e dezembro de 2017. Um total de 49 doentes, a que corresponderam 49 cirurgias, foram incluídos no estudo. Os doentes foram divididos em 2 grupos, consoante a técnica utilizada para fenestração da platina - microbroca ou perfurador.

Resultados: Os dois grupos eram homogéneos relativamente a s caraterísticas base dos doentes. Em relaçã o aos parâmetros intraoperatórios, o grupo de doentes em que foi utilizada a micro-broca para fenestração da platina apresentou uma diminuiçã o do tempo operatório de cerca de 11 minutos, ainda que não estatisticamente significativa (p > 0.05). Para além disso, foi encontrada uma diferença entre os dois grupos, no que diz respeito ao sucesso cirúrgico (encerramento do GAO para valores inferiores ou iguais a 10 dB) com uma maior taxa de sucesso associada ao uso de micro-broca (86,7% vs. 76,5%), ainda que, mais uma vez, esta diferença não se tenha revelado estatisticamente significativa (p > 0.05). 
No que respeita à variação da via óssea, de uma forma global, houve uma melhoria desta via com a cirurgia. No entanto, avaliando esta variação de forma independente para cada frequência, verificou-se que nos doentes em que foi utilizado a micro-broca para fenestração da platina houve um agravamento médio de 0,71 dB na via óssea na frequência de 4 kHz, comparativamente com os doentes em que foi utilizado o perfurador que tiveram uma melhoria média de 0,45 dB para a mesma frequência na via óssea, diferença esta não estatisticamente significativa.

Conclusões: Na população estudada, não houve diferenças estatisticamente significativas entre as duas técnicas de perfuração da platina ainda que o uso de micro-broca tenha estado associado a uma menor duração da cirurgia e a uma maior taxa de sucesso cirúrgico. No entanto, o uso de micro-broca parece estar associado a um agravamento da via óssea na frequência de 4 Khz, traduzindo provável trauma acústico, apesar de para além de não estatisticamente significativo, este agravamento ser incipiente e não clinicamente relevante.

Downloads

Não existe ainda disponível informação de downloads.

Referências

Vincent R, Sperling NM, Oates J, Jindal M. Surgical findings and long- term hearing results in 3,050 stapedotomies for primary otosclerosis: a prospective study with the otology-neurotology database. Otol Neurotol. 2006 Dec;27(8 Suppl 2):S25-47.

Wegner I, Kamalski D, Tange R, et al. Laser versus conventional fenestration in stapedotomy for otosclerosis – a systematic review. Laryngoscope 2014 Jul; 124(7):1687-93.

Mann WJ, Amedee RG, Fuerst G, Tabb HG. Hearing loss as a complication of stapes surgery. Otolaryngol Head Neck Surg 1996 Oct;115(4):324–8.

Handley GH, Hicks JN. Stapedectomy in residency - the UAB experience. Am J Otol. 1990 Mar;11(2):128-30.

Freitas VA, Becker CG, Guimarães RE, Crosara PF, Morais GA, Moura M. Surgical treatment of otosclerosis in medical residency training. Braz J Otorhinolaryngol. 2006 Nov-Dec;72(6):727-30.

Caldart AU, Terruel I, Enge DJ, Kurogi AS, Buschle M, Mocellin M. Stapes surgery in residency: the UFPR clinical hospital experience. Braz J Otorhinolaryngol. 2007 Sep-Oct;73(5):647-53.

H. Yavuz, F. Caylakli, F. Ozer and L. N. Ozluoglu. Reliability of Microdrill Stapedotomy: Comparison with Pick Stapedotomy. Otol Neurotol. 2007 Dec;28(8):998-1001.

Cuda D, Murri A, Morchi P, Solenghi T, Tinelli N. Microdrill, CO2-Laser, and Piezoelectric Stapedotomy: A Comparative Study. Otol Neurotol. 2009 Dec;30(8):1111-5.

Morrison AW. Diseases of the optic capsule – Otosclerosis. Scott-Brown's diseases of the ear, nose and throat. 1979;2:405-64;

Mangham Jr CA. Reducing footplate complications in small fenestra microdrill stapedotomy. Am J Otol. 1993 Mar;14(2):118-21.

Gjuric M. Microdrill versus perforator for stapedotomy Clin Otolaryngol Allied Sci. 1990 Oct;15(5):411-3.

Barbara M, Monini S, de Seta E, Filipo R. Early hearing evaluation after microdrill stapedotomy. Clin Otolaryngol Allied Sci. 1994 Feb;19(1):9-12.

Publicado
2019-03-20
Como Citar
de Almeida, J. C., Rego, Ângela R., Lino, J. V., Gameiro dos Santos, J., & Almeida e Sousa, C. (2019). Estudo comparativo retrospetivo entre o uso de micro-broca vs perfurador na fenestração da platina no tratamento cirúrgico da otosclerose. Revista Portuguesa De Otorrinolaringologia E Cirurgia De Cabeça E Pescoço, 56(3), 113-118. Obtido de https://journalsporl.com/index.php/sporl/article/view/731
Secção
Artigo de Revisão

Trabalhos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)