Timpanoplastia com enxerto medial ou lateral ao martelo: Comparação dos resultados funcionais

Autores

  • António Fontes Lima Interno de Formação Específica de Otorrinolaringologia do Hospital de Braga Escola de Medicina - Universidade do Minho
  • Filipa Carvalho Moreira Assistente Hospitalar de Otorrinolaringologia do Hospital de Braga
  • Ana Menezes Interno de Formação Específica de Otorrinolaringologia do Hospital de Braga
  • Isabel Costa Interno de Formação Específica de Otorrinolaringologia do Hospital de Braga
  • Luís Dias Diretor do Serviço de Otorrinolaringologia no Hospital de Braga

DOI:

https://doi.org/10.34631/sporl.729

Palavras-chave:

timpanoplastia, overlay, underlay, over-underlay

Resumo

Introdução: a timpanoplastia refere-se ao procedimento cirúrgico de reparação da membrana timpânica, podendo ou não estar associada à reconstrução ossicular. A posição relativamente ao cabo do martelo na qual se interpõe o retalho gera ainda alguma controvérsia, existindo autores que advogam a sua colocação sob esta estrutura; outros autores defendem a colocação sobre o cabo do martelo, posição que, embora implique manipulação da cadeia ossicular com os riscos inerentes, dá suporte ao retalho.

Objetivo: comparar dois métodos de colocação do enxerto na timpanoplastia, medial ou lateral ao cabo do martelo.

Metodologia e métodos: trata-se de um estudo retrospetivo. Foram revistos os processos dos doentes submetidos a timpanoplastia tipo I entre 2013 e 2017. Foram selecionados doentes cujo enxerto utilizado foi a fascia temporalis. Os doentes foram divididos em 2 grupos: no grupo 1 incluíram-se os doentes cujo retalho foi colocado sob o cabo do martelo; no grupo 2 os doentes cujo retalho foi colocado sobre o cabo do martelo.

Resultados: a média do gap aéreo-ósseo pré-operatório era de 24 décibeis (dB), e do gap pós-operatório de 12 dB. Não se verificou uma diferença estatisticamente significativa nos gaps AO pré-operatórios entre os doentes de ambos os grupos. Houve uma melhoria estatisticamente significativa nos gaps AO após a cirurgia em ambos os grupos, de 13 dB no grupo 1 e 11 dB no grupo 2; no entanto, a diferença entre ambos não foi significativa. Em 18,5% (n=13) de todos os casos verificou-se um agravamento do LTM da VO no pós-operatório, no máximo 7,5 dB; 10% dos casos verificaram-se no grupo 1 e 8,5% no grupo 2, sem diferença estatisticamente significativa entre ambos.

Conclusão: de acordo com os nossos resultados, qualquer uma das técnicas de colocação do retalho em relação ao cabo do martelo é válida, conseguindo-se um bom resultado funcional com ambas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2019-03-06

Como Citar

Lima, A. F., Moreira, F. C., Menezes, A., Costa, I., & Dias, L. (2019). Timpanoplastia com enxerto medial ou lateral ao martelo: Comparação dos resultados funcionais. Revista Portuguesa De Otorrinolaringologia E Cirurgia De Cabeça E Pescoço, 56(2), 55-59. https://doi.org/10.34631/sporl.729

Edição

Secção

Artigo Original

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)

1 2 > >>