Epistáxis pós cirurgia nasal: Incidência e fatores de risco

  • Isabel Pinto Serviço de ORL do Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho
  • Francisco Monteiro Serviço de ORL do Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho
  • Nuno Lima Serviço de ORL do Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho
  • Diamantino Helena Serviço de ORL do Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho
  • Artur Condé Serviço de ORL do Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho
Palavras-chave: Epistáxis, cirurgia nasal, fatores de risco

Resumo

Objetivo: Determinar a incidência de epistáxis pós cirurgia nasal assim como possíveis fatores de risco para a ocorrência da mesma.

Material e Métodos: Estudo retrospectivo dos doentes submetidos a cirurgia nasal no serviço de Otorrinolaringologia do Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho num período de 16 meses.

Resultados: Foram considerados um total de 412 doentes. A incidência de epistáxis foi de 4,6%. As cirurgias que mais frequentemente apresentaram hemorragia foram a septoplastia (57,9%) seguida da septoplastia com cirurgia endoscópica nasossinusal (31,6%). Dos possíveis fatores de risco estudados apenas o tipo de tamponamento apresentou uma associação estatisticamente significativa com a ocorrência de epistáxis (p=0,011).

Conclusão: A epistáxis pós cirurgia nasal é um evento infrequente. Alguns dos fatores considerados classicamente de risco para a ocorrência de epistáxis em doentes sem história de cirurgia nasal prévia poderão não se aplicar à hemorragia que ocorre após a sua realização.

Downloads

Não existe ainda disponível informação de downloads.

Referências

- Cohen O, Shoffel-Havakuk H, Warman M, Tzelnick S, Haimovich Y, Kohlberg GD, Halperin D, Lahav Y. Early and Late Recurrent Epistaxis Admissions: Patterns of Incidence and Risk Factors. Otolaryngol Head Neck Surg. 2017;157(3):424-431

- Kucik CJ, Clenney T. Management of epistaxis. Am Fam. 2005;71:305.

- Sacks R, Sacks PL, Chandra R. Chapter 3: epistaxis. Am J Rhinol Allergy. 2013;27:S9-S10

- Garth RJ, Cox HJ, Thomas MR. Haemorrhage as a complication of inferior turbinectomy: a comparison of anterior and radical trimming. Clin Otolaryngol Allied Sci. 1995;20:236-238.

- May M, Levine HL, Mester SJ, Schaitkin B. Complications of endoscopic sinus surgery: analysis of 2108 patients—incidence and prevention. Laryngoscope. 1994;104:1080-1083.

- Jindal G, Gemmete J, Gandhi D. Interventional neuroradiology applications in otolaryngology, head and neck surgery. Otolaryngol Clin N Am 2012;45:1423–1449.

- Christensen NP, Smith DS, Barnwell SL, Wax MK. Arterial embolization in the management of posterior epistaxis. Otolaryngol Head Neck Surg 2005;133:748–753.

- Tomkinson A, Roblin DG, Flanagan P, Quine SM, Backhouse S. Patterns of hospital attendance with epistaxis. Rhinology. 1997;35:129-131.

- Purkey MR, Seeskin Z, Chandra R. Seasonal variation and pre-dictors of epistaxis. Laryngoscope. 2014;124:2028-2033.

- Terakura M, Fujisaki R, Suda T, Sagawa T, Sakamoto T. Relationship between blood pressure and persistent epistaxis at the emergency department: a retrospective study. J Am Soc Hypertens. 2012;6:291-295.

- Goljo E, Dang R, Iloreta AM, Govindaraj S. Cost of manage- ment in epistaxis admission: impact of patient and hospital characteristics. Laryngoscope. 2015;125:2642-2647.

- Fishpool SJ, Tomkinson A. Patterns of hospital admission with epistaxis for 26,725 patients over an 18-year period in Wales, UK. Ann R Coll Surg Engl. 2012;94(8):559-62.

Publicado
2019-03-06
Como Citar
Pinto, I., Monteiro, F., Lima, N., Helena, D., & Condé, A. (2019). Epistáxis pós cirurgia nasal: Incidência e fatores de risco. Revista Portuguesa De Otorrinolaringologia-Cirurgia De Cabeça E Pescoço, 56(2), 67-71. Obtido de https://journalsporl.com/index.php/sporl/article/view/725
Secção
Artigo de Revisão