Morbilidade pós-amigdalectomia em idade pediátrica: Comparação das técnicas de disseção a frio e com bipolar

Autores

  • Ines Faria Gambôa Serviço de Otorrinolaringologia - Hospital Pedro Hispano
  • Nuno Ribeiro Costa Serviço de Otorrinolaringologia - Hospital Pedro Hispano
  • Delfim Duarte Serviço de Otorrinolaringologia - Hospital Pedro Hispano
  • Nuno Oliveira Serviço de Otorrinolaringologia - Hospital Pedro Hispano

DOI:

https://doi.org/10.34631/sporl.676

Palavras-chave:

Amigdalectomia, Dor, Crianças, Disseção a frio, Disseção com bipolar

Resumo

Objetivos: Este estudo pretende comparar a morbilidade pósamigdalectomia com dissecção a frio (DF) e dissecção bipolar (DB) em idade pediátrica.

Métodos: Estudo prospetivo, que incluiu crianças com idades entre os 3 e os 10 anos, submetidos a amigdalectomia pelo mesmo cirurgião entre Fevereiro de 2015 e Junho de 2016. Os pacientes foram alternadamente selecionados para DF ou DB. Foram registadas e comparadas as seguintes variáveis nos 15 dias de pós-operatório: dor reportada, complicações, número de dias sob analgesia oral e sob dieta líquida.

Resultados: Foram incluídas 60 crianças, 30 em cada grupo. Não houve diferença estatisticamente significativa na pontuação de dor nos dias 1, 5 e 10 após a cirurgia, nem no número de dias sob analgesia oral e sob dieta líquida. Três pacientes em cada grupo apresentaram complicações pósoperatórias.

Conclusão: Os resultados de morbilidade sugerem que ambas as técnicas, DF ou DB, são semelhantes na amigdalectomia em idade pediátrica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografias Autor

Ines Faria Gambôa, Serviço de Otorrinolaringologia - Hospital Pedro Hispano

Serviço de Otorrinolaringologia - Hospital Pedro Hispano

Nuno Ribeiro Costa, Serviço de Otorrinolaringologia - Hospital Pedro Hispano

Serviço de Otorrinolaringologia - Hospital Pedro Hispano

Delfim Duarte, Serviço de Otorrinolaringologia - Hospital Pedro Hispano

Serviço de Otorrinolaringologia - Hospital Pedro Hispano

Nuno Oliveira, Serviço de Otorrinolaringologia - Hospital Pedro Hispano

Serviço de Otorrinolaringologia - Hospital Pedro Hispano

Referências

Sadikoglu F, Kurtaran H, Ark N, Ugur KS, et al. Comparing the effectiveness of "plasma knife" tonsillectomy with two well established tonsillectomy techniques: cold dissection and bipolar electrocautery. A prospective randomized study. Int J Pediatr Otorhinolaryngol. 2009 Sep;73(9):1195-8

D'Agostino R, Tarantino V, Calevo MG. Blunt dissection versus electronic molecular resonance bipolar dissection for tonsillectomy: operative time and intraoperative and postoperative bleeding and pain. Int J Pediatr Otorhinolaryngol. 2008;72:1077-84

Raut VV, Bhat N, Sinnathuray AR, Kinsella JB, et al. Bipolar scissors versus cold dissection for pediatric tonsillectomy—a prospective, randomized multiunit study. Int J Pediatr Otorhinolaryngol. 2002;64:9-15

Curtin JM. The history of tonsil and adenoid surgery. Otolaryngol Clin North Am 1987;20:415–419

Silveira H, Soares JS, Lima HA. Tonsillectomy: cold dissection versus bipolar electrodissection. Int J Pediatr Otorhinolaryngol. 2003;67:345-51

Hesham A. Bipolar diathermy versus cold dissection in paediatric tonsillectomy. Int J Pediatr Otorhinolaryngol. 2009;73:793-5

MacGregor FB, Albert DM, Bhattacharyya AK. Post-operative morbidity following paediatric tonsillectomy; a comparison of bipolar diathermy dissection and blunt dissection. Int J Pediatr Otorhinolaryngol 1995;31:1-6

Kirazli T, Bilgen C, Midilli R, Ogüt F, et al. Bipolar electrodissection tonsillectomy in children. Eur Arch Otorhinolaryngol. 2005;262:716-8

Nunez DA, Provan J, Crawford M. Postoperative tonsillectomy pain in pediatric patients. Arch Otolaryngol Head Neck Surg 2000;126:837–841

Wexler DB. Recovery after tonsillectomy: electrodissection vs. sharp dissection techniques. Otolaryngol Head Neck Surg. 1996;114:576-81

Nafiu OO, Chimbira WT, Woolford SJ, Tremper KK, et al. Does high BMI influence hospital charges in children undergoing adenotonsillectomy? Obesity (Silver Spring). 2008;16:1667-71.

Nafiu OO, Shanks A, Abdo S, Taylor E, et al. Association of high body mass index in children with early post-tonsillectomy pain. Int J Pediatr Otorhinolaryngol. 2013;77:256-61.

Baugh RF, Archer SM, Mitchell RB, Rosenfeld RM, et al. Clinical practice guideline: tonsillectomy in children. Otolaryngol Head Neck Surg. 2011;144(1 Suppl):S1-30

Tay HL. Post-operative morbidity in electrodissection tonsillectomy. J Laryngol Otol 1995;109:209–211

Di Rienzo Businco L, Coen Tirelli G. Paediatric tonsillectomy: radiofrequency-based plasma dissection compared to cold dissection with sutures. Acta Otorhinolaryngol Ital 2008;28:67-72

Soy FK, Dündar R, Yazici H, Kulduk E, et al. Bipolar cautery tonsillectomy using different energy doses: pain and bleeding. Int J Pediatr Otorhinolaryngol. 2014;78:402-6

Publicado

2017-12-24

Como Citar

Gambôa, I. F., Ribeiro Costa, N., Duarte, D., & Oliveira, N. (2017). Morbilidade pós-amigdalectomia em idade pediátrica: Comparação das técnicas de disseção a frio e com bipolar. Revista Portuguesa De Otorrinolaringologia E Cirurgia De Cabeça E Pescoço, 55(1), 9-13. https://doi.org/10.34631/sporl.676

Edição

Secção

Artigo Original

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)

1 2 3 > >>