Avaliação da qualidade de vida após cirurgia endoscópica nasossisunal: Rinossinusite crónica com e sem pólipos nasais

  • Sara Martins Pereira Interno de ORL no serviço de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial do Hospital de Braga
  • Miguel Breda Interno de ORL no serviço de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial do Hospital de Braga
  • Diana Pinto Silva Interno de ORL no serviço de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial do Hospital de Braga
  • Ana Menezes Interno de ORL no serviço de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial do Hospital de Braga
  • Daniela Ribeiro Assistente Hospitalar no serviço de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial do Hospital de Braga
  • Luís Dias Diretor do Serviço de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial do Hospital de Braga
Palavras-chave: Rinossinusite crónica, qualidade de vida, pólipos nasais, cirurgia endoscópica nasossinusal

Resumo

Objetivos: Determinar o impacto na qualidade de vida dos doentes submetidos a cirurgia endoscópica nasossinusal em contexto de rinossinusite crónica com (RSCcP) e sem pólipos nasais (RSCsP).

Desenho do Estudo: Retrospectivo.

Material e Métodos: Foram analisadas as respostas ao questionário SNOT- 22 dos doentes submetidos a cirurgia endoscópica nasossinusal entre Janeiro de 2013 e Abril de 2015 no Hospital de Braga, comparando o antes e após a cirurgia.

Resultados: Obteve-se um total de 189 doentes, com idade média de 44,88 anos. O grupo RSCcP correspondeu a 48,15%. O tempo médio entre a cirurgia e a aplicação do questionário foi de 20,11 meses. O grupo RSCcP apresentou um score médio SNOT-22 préoperatório de 50 e 15 de pós-operatório, enquanto que o grupo RSCsP apresentou um score médio pré-operatório de 39 e pós-operatório de 21.

Conclusão: A cirurgia endoscópica nasossinusal tem um impacto significativo na qualidade de vida dos doentes com rinossinusite crónica. 

Downloads

Não existe ainda disponível informação de downloads.

Biografia do Autor

Sara Martins Pereira, Interno de ORL no serviço de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial do Hospital de Braga

Sara Martins Pereira

Interna de formação específica de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial do 5º ano

Hospital de Braga

Referências

- Bezerra, T.; Piccirillo, J. et al, “Assessment os quality of life after endoscopic sinus surgery for chronic rhinosinusitis”, Braz. Otorhinolaryngol. 2012; 28(2):98-102

- Adnane,C.; Adouly, A. et al, “Quality of life outcomes after functional endoscopic sinus surgery for nasal polyposis”, American Journal of Otolaryngology, Head and Neck Medicine and Surgery” (2015) 47-51

- Zhang, Z.; Adappa,N. et al; “Quality of life improvement from sinus surgery in chronic rhinosinusitis patients with asthma and nasal polyps”, Inst Forum Allergy Rhinol. 2014; 4:885-892

- Kosugi,E.; Chen, V. et al; “Translation, cross-cultural adaptation and validation of SinoNasal Outcome Test (SNOT) - 22 to Brazilian Portuguese”, Braz J Otorhinolaryngol. 2011;77(5):663-9

- Fokkens, W.J.; Lund, V.J. et al; “European Position Paper on Rhinosinusitis and Nasal Polyps 2012”, Official Journal of the European and International Societies 2012 March; 50(23)

- Joshua, K.; Matthew, H et al, “Sino-nasal Outcome Test (SNOT-22): A predictor of post-surgical improvement in patients with chronic sinusitis”, Ann Allergy Asthma Immunol. 2013 Oct; 111(4):246-251

- Hopkins, C.; Rudmik, L. et al, “The predictive value of the preoperative sinonasal outcome test-22 score in patients undergoing endoscopic sinus surgery for chronic rhinosinusitis”, The Laryngoscope,125:1779 – 1784, 2015

- Rudmik L.; Soler, ZM. et al, “Using preoperative SNOT-22 score to inform patient decision for Endoscopic sinus surgery.”, Laryngoscope. 2015 Jul;125(7):1517-22

Publicado
2017-05-31
Como Citar
Martins Pereira, S., Breda, M., Pinto Silva, D., Menezes, A., Ribeiro, D., & Dias, L. (2017). Avaliação da qualidade de vida após cirurgia endoscópica nasossisunal: Rinossinusite crónica com e sem pólipos nasais. Revista Portuguesa De Otorrinolaringologia E Cirurgia De Cabeça E Pescoço, 54(3), 149-155. Obtido de https://journalsporl.com/index.php/sporl/article/view/641
Secção
Artigo Original