Tumores das glândulas parótidas - Casuística dos últimos 10 anos do serviço de ORL do IPO de Lisboa

  • Filipa Oliveira Interna do Complementar do Serviço de Otorrinolaringologia do Hospital Egas Moniz – Centro Hospitalar Lisboa Ocidental
  • Eurico Costa Interno do Complementar do Serviço de Otorrinolaringologia do Hospital Fernando Fonseca
  • Sónia Pereira Interno do Complementar do Serviço de Otorrinolaringologia do Hospital São José – Centro Hospitalar Lisboa Central
  • Ricardo Pacheco Assistente de Otorrinolaringologia do Instituto Português de Oncologia de Lisboa
  • Miguel Magalhães Director do Serviço de Otorrinolaringologia do Instituto Português de Oncologia de Lisboa
Palavras-chave: Glândulas salivares, Glândula parótida, Tumores benignos, Tumores malignos, Cirurgia

Resumo

Os tumores das glândulas salivares são tumores pouco frequentes da cabeça e pescoço, correspondendo a cerca de 3-5% dos tumores nesta localização.

No presente trabalho iremos fazer um estudo retrospectivo da ocorrência de tumores da glândula parótida dos últimos 10 anos no Serviço de Otorrinolaringologia do IPO de Lisboa.

Foram recolhidos dados dum total de 153 doentes desde o período de 1 de Janeiro de 2001 a 31 de Dezembro de 2011 e avaliadas a incidência dos tipos histológicos, a terapêutica efectuada e o seguimento dos doentes a curto, médio e longo prazo. Foram igualmente tidas em conta a ocorrência de complicações, recidivas e tratamentos complementares.

Verificou-se que, tal como na bibliografia consultada, estes tumores são raros e na sua maioria benignos, havendo uma razão inversamente proporcional entre o tamanho da glândula salivar e a benignidade do tumor.

O tratamento de eleição para os tumores das glândulas parotídeas é cirúrgico, independentemente de se tratar dum tumor benigno ou maligno, uma vez que há um crescimento contínuo do tumor e potencial de malignização.

Downloads

Não existe ainda disponível informação de downloads.

Referências

Spiro, J; Spiro, R. Cancer of the Parotid Gland: Role of 7th Nerve Preservation. World Journal Surgery. 2003;27:863-867.

Johnson, J T; Ferlito, A; Fagant, J J; Bradley, P J et al. Role of limited parotidectmomy in management of pleomorphic adenoma. The Journal of Laryngology and Otology 2007, 121:1126–1128.

Roh, Jl; Park, C. Function-Preserving Parotid Surgery for Benign tumors Involving the Deep Parotid Lobe. Journal of Surgical Oncology. 2008, 98:42-45.

O’Regan, B; Bharadwaj, G. Tumor Recurrence after Surgical Removal of Parotid Pleomorfic Salivary Adenoma using Retrograde facial nerve dissection technique. The British Journal Oral Maxillofacial Surgery. 2011: Aug 29.

Guntinas-Lichius; B, Gabriel; Klussmann, JP. Risk of facial palsy and severe Frey’s syndrome after conservative parotidectomy for benign disease: analysis of 610 operations. Acta otolaryngolo. 2006. Oct126(10):1104-9.

Al-Naqeeb, NI; dashti, H; al-Muhanna, AH; Behbehani, A. Parotid gland tumours: a 15-year experience. Journal of the Royal College of Surgeons of Edinburgh. 1992 Apr;37(2):89-93.

Diaz, P; Castillo, R; Plata, M; Gías, L et al. Clinical results in the management of Frey’s Syndrome with injections of Botulinum Toxin. Medicina Oral Patol Oral Cir Bucal. 2008: Apr 1; 13(4):E248-252.

Sharma, R; Sirohi. Proximal and distal facial nerve exploration during superficial parotidectomy. Journal Maxillofacial Oral Surgery. June 2010: 9 (2):150-154.

Rustemeyer, J; Eufinger, H; Bremerich, A. The inicidence of Frey’s Syndrome. Journal of Cranio-Maxillofacial Surgery. 2008:36, 34 e 37.

Upton, D; Mcnamar, J; Connor, N; Harari, P et al. Parotidectomy: ten- year review of 237 cases at a single institution. Otolaryngology-Head and Neck Surgery. 2007: 136, 788-792.

Gehanno, P; Guerrier, B; Pessey, J; Zanaret, M. Les tumeurs de la parotide. Les Monographies du CCA Group. 2003: n35.

Meyers, E; Ferris, R. Salivary Glands Disorders. Springer 2007.

Como Citar
Oliveira, F., Costa, E., Pereira, S., Pacheco, R., & Magalhães, M. (1). Tumores das glândulas parótidas - Casuística dos últimos 10 anos do serviço de ORL do IPO de Lisboa. Revista Portuguesa De Otorrinolaringologia E Cirurgia De Cabeça E Pescoço, 51(3), 157-160. Obtido de https://journalsporl.com/index.php/sporl/article/view/61
Secção
Artigo Original