Otossífilis: Um diagnóstico raro em Otorrinolaringologia

  • Sara Tavares Interna do Internato Complementar de ORL do Hospital Garcia de Orta
  • Hugo Rodrigues Interno do Internato Complementar de ORL do Hospital Garcia de Orta
  • Inês Silva Interna do Internato Complementar de ORL do Hospital Garcia de Orta
  • Carla André Assistente Hospitalar do Serviço de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial do Hospital Garcia de Orta, Portugal
  • Vítor Proença Assistente Hospitalar do Serviço de ORL do Hospital Garcia de Orta
  • Luís Antunes Director do Serviço de ORL do Hospital Garcia de Orta
Palavras-chave: otossífilis, sífilis, hipoacusia neurosensorial, paralisia facial periférica, neurossífilis

Resumo

A incidência de sífilis adquirida tem aumentado nos últimos anos. A otossífilis pode surgir em qualquer fase da infecção por Treponema pallidum e manifesta-se habitualmente por hipoacusia, acufenos, vertigem e desequilíbrio. O diagnóstico resulta da combinação das manifestações clínicas, com a evidência serológica de sífilis e a exclusão de outras causas de hipoacusia neurosensorial. Apresenta-se o caso clínico de um doente do sexo masculino, de 27 anos, com hipoacusia e acufenos bilaterais, progressivos, com 3 meses de evolução, a que se associou paralisia facial periférica esquerda com 3 dias de evolução. Após investigação etiológica confirmou-se sífilis (RPR = 64 dil. e TPHA = 1/1280) e excluíram-se outras causas, diagnosticando-se otossífilis com paralisia facial periférica. O doente foi medicado com penicilina G e prednisolona, ambas por via endovenosa, com remissão da sintomatologia. A sífilis continua a ser uma doença prevalente. Perante um doente com manifestações cocleovestibulares inexplicáveis deve ser averiguada a hipótese diagnóstica de otossífilis.

Downloads

Não existe ainda disponível informação de downloads.

Referências

Mandell G, Bennett J and Dolin R. Mandell, Douglas, and Bennett’s Principles and Practice of Infectious Diseases. 7th Edition. Philadelphia: Churchill Livingstone, 2009.

Abuzeid W, Ruckenstein M. Spirochetes in otology: Are we testing for the right pathogens. Otolaryngol Head Neck Surg 2008;138:107-109.

Yimtae K, Srirompotong S, Lertsukprasert K. Otosyphilis: A review of 85 cases. Otolaryngol Head Neck Surg 2007;136:67-71.

Gleich L, Linstrom C, Kimmelman C. Otosyphilis: A diagnostic and therapeutic dilemma. Laryngoscope 1992; 102: 1255-1259.

Flint P, et al. In: Cummings CW (Ed.) Otolaryngology: Head & Neck Surgery. 5th Edition. Philadelphia: Elsevier Mosby, 2010; Chapter 165.

Como Citar
Tavares, S., Rodrigues, H., Silva, I., André, C., Proença, V., & Antunes, L. (1). Otossífilis: Um diagnóstico raro em Otorrinolaringologia. Revista Portuguesa De Otorrinolaringologia E Cirurgia De Cabeça E Pescoço, 51(1), 35-38. Obtido de https://journalsporl.com/index.php/sporl/article/view/6
Secção
Caso Clínico

Trabalhos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)