Pilha nas fossas nasais, uma emergência Otorrinolaringológica

Autores

  • Alberto Santos Assistente graduado de Otorrinolaringologia - Serviço de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cervico-Facial, Hospital Cuf Descobertas
  • António Marinho Assistente graduado de Otorrinolaringologia - Serviço de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cervico-Facial, Hospital Cuf Descobertas
  • João Subtil Assistente hospitalar de Otorrinolaringologia - Serviço de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cervico-Facial, Hospital Cuf Descobertas
  • José Saraiva Chefe de serviço- Diretor de serviço de Otorrinolaringologia - Serviço de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cervico-Facial, Hospital Cuf Descobertas

DOI:

https://doi.org/10.34631/sporl.599

Palavras-chave:

corpo estranho nasal, pilha

Resumo

Os corpos estranhos nas fossas nasais são frequentes na urgência. Relativamente inofensivos podem manter-se vários dias sem lesão. As pilhas são uma exceção, representam uma grande ameaça e necessitam de remoção urgente. O Objetivo deste artigo é a partilha de um caso paradigmático, alertando para a gravidade do quadro clínico, que impõe um diagnóstico exato e precoce e uma remoção célere da pilha. Apesar da remoção do corpo estranho 4 horas após a introdução e de todos os procedimentos de limpeza, desinfeção local e antibioterapia, acabou por ocorrer uma perfuração septal . Na literatura encontramos uma média superior a 50% de perfurações septais. Perante a suspeita de corpo estranho, devemos excluir imediatamente a hipótese de pilha. Perante este diagnóstico a criança deverá ser orientada o mais rápido possível para um serviço de urgência de Otorrinolaringologia onde deve existir prioridade absoluta para a sua resolução.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Guilherme Machado Carvalho,Alexandre C Guimaraes, Tammy Takara, Bruno Nasonecy de Sousa, Reinaldo J Gusmão”Quando suspeitar que o corpo estranho em cavidade nasal é uma emergência?” Acta Pediatr Port 2012; 43 (1):27-9

Balbani AP, Sanchez TG, Butugan O Kii MA, Angelico FV Jr, Ikino CM et al”ear and nose foreign body removal in children” Int J pediatric Otorhinolaryngol 1998; 46: 37-42

Loh WS, Leong JL, Tan HKK”Hazardous foreign bodies: Complications of botton batteries in nose” Ann Otol, Rhinol, Laryngol 2003; 112(4):379-83

Lin V Y, Daniel SJ, Papsin BC; “Button batteries in the ear, nose and upper aerodigestive tract”, Int J Pediatr Otorhinolaryngol. 2004;

:473-9.

-Alice K Guidera, Hans R Stegehuis”Button batteries: the worst case scenario in nasal foreign bodies”;New Zeland Med J; 2010 vol12 April

-28

Como Citar

Santos, A., Marinho, A., Subtil, J., & Saraiva, J. (1). Pilha nas fossas nasais, uma emergência Otorrinolaringológica. Revista Portuguesa De Otorrinolaringologia E Cirurgia De Cabeça E Pescoço, 53(3), 191-193. https://doi.org/10.34631/sporl.599

Edição

Secção

Caso Clínico

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)

1 2 3 > >>