Otosclerose - Resultados audiométricos 5 anos após cirurgia estapédica

  • Eurico Costa Interno de Formação Específica de Otorrinolaringologia. - Hospital Prof. Dr. Fernando Fonseca EPE
  • Carolina Durão Interna de Formação Específica de Otorrinolaringologia. - Hospital Prof. Dr. Fernando Fonseca EPE
  • Mafalda Trindade Soares Interna de Formação Específica de Otorrinolaringologia. - Hospital Prof. Dr. Fernando Fonseca EPE
  • Sofia Decq Mota Interna de Formação Específica de Otorrinolaringologia. - Hospital Prof. Dr. Fernando Fonseca EPE
  • Ana Guimarães Assistente Hospitalar de Otorrinolaringologia. - Hospital Prof. Dr. Fernando Fonseca EPE
  • Filipe Freire Assistente Hospitalar Graduado de Otorrinolaringologia. - Hospital Prof. Dr. Fernando Fonseca EPE
  • Victor Gabão Veiga Diretor de Serviço de Otorrinolaringologia. - Hospital Prof. Dr. Fernando Fonseca EPE
Palavras-chave: Resultados aos 5 anos, Cirurgia Estapédica, Otosclerose

Resumo

Objetivo: Avaliar os resultados audiométricos, 5 anos após estapedectomia, numa série de 85 ouvidos.

Desenho do estudo: Retrospetivo

Materiais e métodos: Análise dos resultados audiométricos obtidos aos 5 anos após estapedectomia e comparação com os valores do pré-operatório e pós-operatório precoce.

Resultados: Cinco anos após estapedectomia observou-se encerramento do gap aero-ósseo para valores ≤ 10 dB em 74% dos ouvidos. Nove doentes foram submetidos a revisão cirúrgica. Seis apresentavam gap aero-ósseo > 20 dB, recusando revisão cirúrgica. O gap aero-ósseo médio aos 5 anos era de 7,17 dB, representando um ganho auditivo de 21,28 dB em relação ao pré-operatório e um aumento do gap de 2,85 dB em relação ao pós-operatório precoce.

Conclusões: Os nossos resultados audiométricos 5 anos após estapedectomia são satisfatórios e coincidentes com a literatura. A estapedectomia representa uma solução eficaz na otosclerose apresentando, na grande maioria dos casos, resultados estáveis ao longo do tempo.

Downloads

Não existe ainda disponível informação de downloads.

Referências

- Merchant S, Mckenna MJ, Browning GG, Reain P, et al. Otosclerosis. In: Gleeson, M. (Ed.) Scott-Brown’s Otorhinolaryngology, Head and Neck Surgery, 7th edition. London, Hodder Arnold; 2008:pp3453-85.

- Shea J. Thirthy years of stapes surgery. J Laryngol Otol.1988; 102:14-9.

- Sedwick J, Louden C, Shelton C. Stapedectomy vs stapedotomy: do you really need a laser? Arch Otolaryngol Head Neck Surg 1997; 123: 177-80.

- Glasscock M, Storper I, Haaynes D, et al. Twenty-five years of experience with stapedectomy. Laryngoscope 1995; 105: 899-904.

- Hughes G. The learning curve in stapes surgery. Laryngoscope 1991; 101:1280-4.

- Kursten R, Schneider B, Zrunek M. Long term results after stapedectomy versus stapedotomy. Am J Otolaryngol 1994; 15(6): 804-6.

- Banerjee A. Audit of stapedectomy results in a district general hospital 2002. Clin Otolaryngol 2002; 27: 275-8.

- Guimarães A, Hebe A, Freire F, Prata J, et al. Cirurgia estapédica na otosclerose: análise retrospectiva de resultados. Rev Port ORL 2010; 48 (4):177-80.

- Shea J. Forty years of stapes surgery. American Journal of Otology.1998;19: 52-5.

- Aarnisalo A, Vasama J, Hopsu E, Ramsay H. Long-term hearing results after stapes surgery, a 20 year follow up. Otology and Neurotology. 2003; 24:567-71.

- Committee on hearing and equilibrium guidelines for the evaluation of results of treatment of conductive hearing loss. Otolaryngol Head Neck Surg 1995; 113 (3):186-7.

- Ramsay H. Success in surgery of otosclerosis: hearing improvement and other indications. Am J Otol 1997; 18(1): 23-8.

- Harkness P, Brown P, Fowler S, et al. A confidential comparative audit of stapedectomies: results of Royal College of Surgeons of England comparative audit of ENT surgery in 1994. J Laryngol Otol 1995; 109: 317-9.

Como Citar
Costa, E., Durão, C., Trindade Soares, M., Decq Mota, S., Guimarães, A., Freire, F., & Gabão Veiga, V. (1). Otosclerose - Resultados audiométricos 5 anos após cirurgia estapédica. Revista Portuguesa De Otorrinolaringologia E Cirurgia De Cabeça E Pescoço, 53(2), 87-90. https://doi.org/10.34631/sporl.581
Secção
Artigo de Revisão