Avaliação dos escores audiométricos e do teste de fala em pacientes idosos portadores de implante coclear

Autores

  • Mariana D. C. Ferreira Santos ENT Doctor, UNICAMP - São Paulo, Brazil
  • Alexandre Caixeta Guimarães ENT Doctor, MD, Otologist, UNICAMP - São Paulo, Brazil
  • Henrique Furlan Pauna ENT Doctor, UNICAMP - São Paulo, Brazil
  • Silvia Baddur Curi Audiologist, Cochlear Implant Specialist, UNICAMP - São Paulo, Brazil
  • Daniele Jerônymo Audiologist, Cochlear Implant Specialist, UNICAMP - São Paulo, Brazil
  • Walter Adriano Bianchini ENT Doctor, MD, Otologist, UNICAMP - São Paulo, Brazil
  • Paulo Catanhede Porto ENT Doctor, MD, Otologist, UNICAMP - São Paulo, Brazil
  • Agrício Nubiato Crespo Audiologist, Cochlear Implant Specialist, UNICAMP - São Paulo, Brazil
  • Guilherme Machado de Carvalho ENT Doctor, MD, Otologist, UNICAMP - São Paulo, Brazil

DOI:

https://doi.org/10.34631/sporl.579

Palavras-chave:

implante coclear, idosos, limiar audiométrico

Resumo

Objetivo: comparar os limiares audiométricos médios e osresultados do teste de percepção de fala (TPF), entre dois grupos com deficiência auditiva neurossensorial bilateral, severa a profunda, pós-lingual.

Material e Métodos: Estudo retrospectivo e analítico, que comparou os limiares audiométricos de 50 pacientes (menores de 60 anos ou maiores de 60 anos) implantados entre maio/2002 e fevereiro/2007.

Resultados: O primeiro grupo incluiu 42 pacientes, média de idade de 44,6 anos. O limiar audiométrico médio neste último grupo foi de26,98 dB e o valor médio de TPF foi 88%. O segundo grupo, com 8 pacientes, teve média de idade de 66,7 anos, apresentou um limiar audiométrico médio de 27,26 dB e o valor médio de TPF foi de 76,25%. Não se observaram diferenças entre o limiar audiométrico e o TPF dos dois grupos (p>0,05).

Conclusão: Os limiares audiométricos médios e o TPF não são diferentes quando comparados entre os grupos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Bevilaqua MC, Costa OAF, Moret ALM, Amantini RBC. Implante coclear em crianças. In: Campos CAH, Costa HO (Eds.) Tratado de Otorrinolaringologia SBORL, São Paulo, Editora Roca; 2002:pp268-75.

Bevilaqua MC, Costa OAF, Moret ALM, Amantini RBC. Implante coclear em adultos. In: Campos CAH, Costa HO (Eds.) Tratado de Otorrinolaringologia SBORL, São Paulo, Editora Roca; 2002:pp276-89.

Porto PRC. Avaliação de resultados de implante coclear em pacientes deficientes auditivos, secundário à meningite. Dissertação de mestrado à pós-graduação na Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas em Ciências Médicas na área de Otorrinolaringologia. 2002.

Mangabeira Albenaz PL. Implantes cocleares. Parte I. RBM–ORL. 1995;2(6):119-22.

Luxford W, Brackmann D. The history of cochlear implants. The Surgeon´s workshop Handouts, Cochlear Corporation. 1994.

Summerfield AQ, Barton GR, Toner J, McAnallen C et al. Selfreported benefits from successive bilateral cochlear implantation in post-lingually deafened adults: randomised controlled trial. Int J Audiol. 2006;45 Suppl 1:S99-107.

Mo B, Lindbaek M, Harris S. Cochlear implants and quality of life: a prospective study. Ear Hear. 2005;26(2):186-94.

Chatelin V, Kim EJ, Driscoll C, Larky J et al. Cochlear implant outcomes in the elderly. Otol Neurotol. 2004;25(3):298-301.

Pasanisi E, Bacciu A, Vincenti V, Guida M et al. Speech recognition in elderly cochlear implant recipients. Clin Otolaringol 2003;28:154-7.

Indicadores e Dados Básicos, Brasil – 2012 / IDB – 2012. Ministério da Saúde. Disponível em http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/idb2012/matriz.htm#demog (consultado em 25/06/2105).

Carvalho A. I Semana Nacional de Prevenção da Surdez. Prevenir é Ouvir. Int Arch Otorhinolaryngol. 1997;1(3):1.

Bilton T, Ramos LR, Ebel S, Teixeira LS et al. Prevalência da deficiência auditiva em uma população idosa. Mundo Saúde. 1997;21(4):218-25.

Rozenfeld S. Reações adversas aos medicamentos em idosos: as quedas em mulheres como iatrogenia farmacoterapêutica [Dissertação]. Rio de Janeiro (RJ): Universidade do Estado do Rio de Janeiro; 1997.

Viude A. Fatores associados à presbiacusia em idosos. [Dissertação]. São Paulo (SP): Universidade de São Paulo; 2002.

O estatuto do idoso. Certificados digitais, Serasa. Titulo I artigo 1º, 2004.

Orabi AA, Mawman D, Al-Zoubi F, Saeed SR et al. Cochlear implant outcomes and quality of life in the elderly: Manchester experience over 13 years. Clin Otolaryngol. 2006;31(2):116-22.

Vermeire K, Brokx JP, Wuyts FL, Cochet E et al. Quality-of-life benefit from cochlear implantation in the elderly. Otol Neurotol. 2005;26(2):188-95.

Carvalho GM, Guimarães AC, Macedo ISC, Onuki LCB et al. Digisonic SP® Binaural cochlear implant: the coronal tunneled approach. Braz J Otorhinolaryngol. 2013;79(3):298-305.

Tefili D, Barrault GFG, Ferreira AA, Cordioli JA et al. Implantes cocleares: aspectos tecnológicos e papel socioeconomico. Braz J Biom Eng. 2013;29(4):414-33.

Mosnier I, Bebear JP, Marx M, Fraysse B et al. Improvement of Cognitive Function After Cochlear Implantation in Elderly Patients. JAMA Otolaryngol Head Neck Surg. 2015;141(5):442-50.

Lin FR, Chien WW, Li L, Clarrett DM, Niparko JK, Francis HW. Cochlear Implantation in Older Adults. Medicine. 2012;91(5):229-41.

Como Citar

D. C. Ferreira Santos, M., Caixeta Guimarães, A., Furlan Pauna, H., Baddur Curi, S., Jerônymo, D., Bianchini, W. A., Catanhede Porto, P., Nubiato Crespo, A., & Machado de Carvalho, G. (1). Avaliação dos escores audiométricos e do teste de fala em pacientes idosos portadores de implante coclear. Revista Portuguesa De Otorrinolaringologia E Cirurgia De Cabeça E Pescoço, 53(2), 77-80. https://doi.org/10.34631/sporl.579

Edição

Secção

Artigo Original

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)