Avaliação dos escores audiométricos e do teste de fala em pacientes idosos portadores de implante coclear

  • Mariana D. C. Ferreira Santos ENT Doctor, UNICAMP - São Paulo, Brazil
  • Alexandre Caixeta Guimarães ENT Doctor, MD, Otologist, UNICAMP - São Paulo, Brazil
  • Henrique Furlan Pauna ENT Doctor, UNICAMP - São Paulo, Brazil
  • Silvia Baddur Curi Audiologist, Cochlear Implant Specialist, UNICAMP - São Paulo, Brazil
  • Daniele Jerônymo Audiologist, Cochlear Implant Specialist, UNICAMP - São Paulo, Brazil
  • Walter Adriano Bianchini ENT Doctor, MD, Otologist, UNICAMP - São Paulo, Brazil
  • Paulo Catanhede Porto ENT Doctor, MD, Otologist, UNICAMP - São Paulo, Brazil
  • Agrício Nubiato Crespo Audiologist, Cochlear Implant Specialist, UNICAMP - São Paulo, Brazil
  • Guilherme Machado de Carvalho ENT Doctor, MD, Otologist, UNICAMP - São Paulo, Brazil
Palavras-chave: implante coclear, idosos, limiar audiométrico

Resumo

Objetivo: comparar os limiares audiométricos médios e osresultados do teste de percepção de fala (TPF), entre dois grupos com deficiência auditiva neurossensorial bilateral, severa a profunda, pós-lingual.

Material e Métodos: Estudo retrospectivo e analítico, que comparou os limiares audiométricos de 50 pacientes (menores de 60 anos ou maiores de 60 anos) implantados entre maio/2002 e fevereiro/2007.

Resultados: O primeiro grupo incluiu 42 pacientes, média de idade de 44,6 anos. O limiar audiométrico médio neste último grupo foi de26,98 dB e o valor médio de TPF foi 88%. O segundo grupo, com 8 pacientes, teve média de idade de 66,7 anos, apresentou um limiar audiométrico médio de 27,26 dB e o valor médio de TPF foi de 76,25%. Não se observaram diferenças entre o limiar audiométrico e o TPF dos dois grupos (p>0,05).

Conclusão: Os limiares audiométricos médios e o TPF não são diferentes quando comparados entre os grupos.

Downloads

Não existe ainda disponível informação de downloads.

Referências

Bevilaqua MC, Costa OAF, Moret ALM, Amantini RBC. Implante coclear em crianças. In: Campos CAH, Costa HO (Eds.) Tratado de Otorrinolaringologia SBORL, São Paulo, Editora Roca; 2002:pp268-75.

Bevilaqua MC, Costa OAF, Moret ALM, Amantini RBC. Implante coclear em adultos. In: Campos CAH, Costa HO (Eds.) Tratado de Otorrinolaringologia SBORL, São Paulo, Editora Roca; 2002:pp276-89.

Porto PRC. Avaliação de resultados de implante coclear em pacientes deficientes auditivos, secundário à meningite. Dissertação de mestrado à pós-graduação na Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas em Ciências Médicas na área de Otorrinolaringologia. 2002.

Mangabeira Albenaz PL. Implantes cocleares. Parte I. RBM–ORL. 1995;2(6):119-22.

Luxford W, Brackmann D. The history of cochlear implants. The Surgeon´s workshop Handouts, Cochlear Corporation. 1994.

Summerfield AQ, Barton GR, Toner J, McAnallen C et al. Selfreported benefits from successive bilateral cochlear implantation in post-lingually deafened adults: randomised controlled trial. Int J Audiol. 2006;45 Suppl 1:S99-107.

Mo B, Lindbaek M, Harris S. Cochlear implants and quality of life: a prospective study. Ear Hear. 2005;26(2):186-94.

Chatelin V, Kim EJ, Driscoll C, Larky J et al. Cochlear implant outcomes in the elderly. Otol Neurotol. 2004;25(3):298-301.

Pasanisi E, Bacciu A, Vincenti V, Guida M et al. Speech recognition in elderly cochlear implant recipients. Clin Otolaringol 2003;28:154-7.

Indicadores e Dados Básicos, Brasil – 2012 / IDB – 2012. Ministério da Saúde. Disponível em http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/idb2012/matriz.htm#demog (consultado em 25/06/2105).

Carvalho A. I Semana Nacional de Prevenção da Surdez. Prevenir é Ouvir. Int Arch Otorhinolaryngol. 1997;1(3):1.

Bilton T, Ramos LR, Ebel S, Teixeira LS et al. Prevalência da deficiência auditiva em uma população idosa. Mundo Saúde. 1997;21(4):218-25.

Rozenfeld S. Reações adversas aos medicamentos em idosos: as quedas em mulheres como iatrogenia farmacoterapêutica [Dissertação]. Rio de Janeiro (RJ): Universidade do Estado do Rio de Janeiro; 1997.

Viude A. Fatores associados à presbiacusia em idosos. [Dissertação]. São Paulo (SP): Universidade de São Paulo; 2002.

O estatuto do idoso. Certificados digitais, Serasa. Titulo I artigo 1º, 2004.

Orabi AA, Mawman D, Al-Zoubi F, Saeed SR et al. Cochlear implant outcomes and quality of life in the elderly: Manchester experience over 13 years. Clin Otolaryngol. 2006;31(2):116-22.

Vermeire K, Brokx JP, Wuyts FL, Cochet E et al. Quality-of-life benefit from cochlear implantation in the elderly. Otol Neurotol. 2005;26(2):188-95.

Carvalho GM, Guimarães AC, Macedo ISC, Onuki LCB et al. Digisonic SP® Binaural cochlear implant: the coronal tunneled approach. Braz J Otorhinolaryngol. 2013;79(3):298-305.

Tefili D, Barrault GFG, Ferreira AA, Cordioli JA et al. Implantes cocleares: aspectos tecnológicos e papel socioeconomico. Braz J Biom Eng. 2013;29(4):414-33.

Mosnier I, Bebear JP, Marx M, Fraysse B et al. Improvement of Cognitive Function After Cochlear Implantation in Elderly Patients. JAMA Otolaryngol Head Neck Surg. 2015;141(5):442-50.

Lin FR, Chien WW, Li L, Clarrett DM, Niparko JK, Francis HW. Cochlear Implantation in Older Adults. Medicine. 2012;91(5):229-41.

Como Citar
D. C. Ferreira Santos, M., Caixeta Guimarães, A., Furlan Pauna, H., Baddur Curi, S., Jerônymo, D., Bianchini, W. A., Catanhede Porto, P., Nubiato Crespo, A., & Machado de Carvalho, G. (1). Avaliação dos escores audiométricos e do teste de fala em pacientes idosos portadores de implante coclear. Revista Portuguesa De Otorrinolaringologia E Cirurgia De Cabeça E Pescoço, 53(2), 77-80. https://doi.org/10.34631/sporl.579
Secção
Artigo Original