O impacto psicossocial da disfonia - Que relação?

  • Aldora Quintal Terapeuta da Fala do Serviço de ORL do Hospital Garcia de Orta, Mestre em Psicologia do Desenvolvimento Sensorial e Cognitivo, docente da Escola Superior de Saúde Egas Moniz, Portugal
  • Paula Correia Terapeuta da Fala do Serviço de ORL do Hospital Garcia de Orta; Mestre em Ciências da Fala e Doutoranda em Ciências da fala; Coordenadora da Licenciatura em Terapia da Fala da Escola Superior de Saúde Egas Moniz; Membro do Grupo de Investigação em Voz do Instituto Superior de Ciências da Saúde da Universidade Católica Portuguesa, Portugal
  • Paula Martins Terapeuta Ocupacional do Serviço de MFR do Hospital Garcia de Orta; Mestre em Gestão dos Serviços de Saúde e Doutoranda em Psicologia das Organizações; docente da Escola Superior de Saúde Egas Moniz, Portugal
  • Luís Antunes Director do Serviço de ORL do Hospital Garcia de Orta, Portugal
Palavras-chave: dissonai, voz profissional, impacto psicossocial da voz

Resumo

Objectivo: avaliar a relação entre o impacto psicossocial e o grau de severidade da disfonia bem como verificar se o impacto psicossocial difere de forma significativa de acordo com a utilização ou não da voz em contexto profissional.

Material e métodos: Estudo retrospectivo do impacto psicossocial da disfonia (VHI) em 390 adultos, 91 homens e 299 mulheres, com idade ≥ 18 anos e disfonia de etiologia não oncológica.

Resultados: Existe uma relação positiva e altamente significativa (p≤0,001) entre o grau de severidade da disfonia e o impacto psicossocial na qualidade de vida. O sexo feminino apresenta níveis de impacto psicossocial superiores aos do sexo masculino, contudo sem significância estatística (p≥0,05).

Conclusão: Qualquer adulto com disfonia, independentemente do grau de severidade, apresenta uma diminuição da qualidade de vida mesmo para aqueles que não dependem profissionalmente da sua qualidade vocal. Á medida que o grau de disfonia aumenta verifica-se uma diminuição significativa da qualidade de vida.

Downloads

Não existe ainda disponível informação de downloads.

Referências

Guimarães I. A Ciência e a Arte da Voz Humana. Alcoitão, Escola Superior de Saúde de Alcoitão; 2007.

Jacobson B, Johnson A, Grywalski C, Silbergleit A, et al. The Voice Handicap Index (VHI): development and validation. Am J Speech-Language Pathol. 1997, 6: 66-70.

Freeman M, Fawcus M. Distúrbios da Voz e seu Tratamento. Terceira Edição, São Paulo, Livraria santos Editora; 2004.

Guimarães I, Abberton E. Na investigation of the Voice Handicap Index with speakers, of Portuguese: preliminary data. J Voice 2004; 18(1): 71-82.

Koufman JA, Isacson G. Voice Disorders. Philadelphia: WB, 1991.

Timmermans B, De Bodt MS, Wuyts FL, Boudewijns A, et al. Poor Voice quality in future elite vocal performers and professional, voice users. J Voice 2002; 16(3): 372-382.

Putnoki SD, Hara F, Oliveira G, Behlau M. Qualidade de vida em voz: O impacto de uma disfonia de acordo com o género, idade e uso vocal profissional. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia. 2010: 485-90.

Aimee CEL, Melfred LH, Erasmo GDV. Measurement of the Handicap of Dysphonic Patients using the Filipino voice Handicap Index. Philippine Journal of Otolaryngoloy-Head And Neck Surgery. 2010; 25(1), 7-12.

Costa OH, Matias C. O impacto da voz na qualidade de vida da mulher idosa. Revista Brasileira de Otorrinolaringologia. 2005; 71(2): 172-8.

Spina LA, Maunsell R, Sandalo K, Gusmão R, Crespo A. correlação da qualidade de vida e voz com actividade profissional. Revista Brasileira de Otorrinolaringologia. 2009,75(2): 275-9.

Bouwers F, Dikkers FG. A Retrospective Stuy Concerning the Psychosocial Impact of Voice Disorders: Voice Handicap Index Change in Patients With Benign Voice Disorders After Treatment (Measured With the Dutch Version of the VHI). J Voice. 2007,23(2): 218-224.

Bogusz NE, Kuzanska A, Woznicka E,& Kowalska SM, Assessment of the Voice Handicap Index as a Screening Tool in Dysphonic Patients. Folie Phoniatrica et Logopaedica. 2011, 63: 269-272.

Johns M. Update on the etiology, diagnosis and treatment of vocal fold nodules and cysts. Curr opin Otolaryngol Head Neck Surg. 2003; 11:456-461.

Como Citar
Quintal, A., Correia, P., Martins, P., & Antunes, L. (1). O impacto psicossocial da disfonia - Que relação?. Revista Portuguesa De Otorrinolaringologia E Cirurgia De Cabeça E Pescoço, 50(4), 291-294. Obtido de https://journalsporl.com/index.php/sporl/article/view/57
Secção
Artigo Original