Reconstruçã o de defeito cirúrgico com retalho livre microvascularizado por otorrinolaringologistas

  • Pedro Cavilhas Hospital Egas Moniz
  • Filipa Oliveira Hospital Egas Moniz
  • Sónia Pereira Hospital de São José
  • Eurico Costa Hospital Fernando Fonseca
  • Hugo Estibeiro Instituto Português de Oncologia de Lisboa Francisco Gentil
  • Luís Oliveira Instituto Português de Oncologia de Lisboa Francisco Gentil
  • Ana Hebe Instituto Português de Oncologia de Lisboa Francisco Gentil
  • Pedro Montalvão Instituto Português de Oncologia de Lisboa Francisco Gentil
  • Miguel Magalhães Instituto Português de Oncologia de Lisboa Francisco Gentil
Palavras-chave: microcirurgia vascular, otorrinolaringologistas, retalho livre microvascularizado, retalho livre antebraquial radial, treino, cirurgia da cabeça e pescoço

Resumo

Introdução: A reconstrução de defeitos cirúrgicos, após ressecção tumoral em cirurgia oncológica da cabeça e pescoço recorre a várias técnicas, que preferencialmente deverão ser executadas no mesmo tempo cirúrgico. No topo da chamada “escada reconstrutiva” encontram-se os retalhos livres microvascularizados. Habitualmente realizados por cirurgiões plásticos, qualquer tipo de entrave ao seu acesso não deverá impossibilitar outros cirurgiões, que trabalhem na área da cirurgia oncológica da cabeça e pescoço, de poder oferecer aos seus doentes este tipo de reconstrução. Assim, cada vez mais se assiste ao domínio destas técnicas por cirurgiões com áreas de formação diferentes, nomeadamente otorrinolaringologistas. 

Materiais e Métodos: Descrição de caso clínico e revisão de literatura. 

Resultados: Apresentamos o caso de um doente com 47 anos de idade com carcinoma pavimento-celular da amígdala esquerda (pT2N2b) proposto para faringectomia parcial com reconstrução com retalho livre antebraquial microvascularizado. Dois cirurgiões seniores do Serviço de Otorrinolaringologia do IPOLFG com vasta experiência em cirurgia oncológica de cabeça e pescoço, mas sem experiência como primeiros cirurgiões em reconstrução microvascularizada desenvolveram um programa de preparação prévio que incluiu sessões de treino de levantamento de retalho antebraquial em cadáver e de anastomose de vasos em ratinhos de laboratório. A cirurgia foi realizada em Setembro de 2011, com quimio-radioterapia em Novembro e Dezembro 2011, e com boa viabilidade do retalho até à presente data e bons resultados funcionais. 

Conclusões: Com preparação prévia e treino adequado a reconstrução com retalhos livres microvascularizados pode (e deve) ser realizada por otorrinolaringologistas que se dedicam à cirurgia oncológica de cabeça e pescoço. 

 

Downloads

Não existe ainda disponível informação de downloads.

Referências

Wei F-C, Mardini S. Flaps and Reconstructive Surgery. W B Saunders Co; 2009. p. 638.

Hurvitz KA, Kobayashi M, Evans GRD. Current Options in Head and Neck Reconstruction. Plastic and Reconstructive Surgery. 2006 Oct. 1;118(5):122e–133e.

Shah JP, Patel SG. Head and Neck Surgery and Oncology, Third Edition. 3rd ed. Mosby; 2003. p. 736.

Jacobson JH, Suarez EL. Microvascular Surgery. Chest. 1962 Feb. 1;41(2):220–224.

Tamai S. History of Microsurgery. Plastic and Reconstructive Surgery. 2009 Dec.;124:e282–e294.

Yang GF, Chen PJ, Gao YZ, Liu XY, et al. Classic reprint Forearm free skin flap transplantation: a report of 56 cases. British journal of plastic surgery. Elsevier; 1997;50(3):162–165.

Soutar DS, Scheker LR, Tanner NS, McGregor IA. The radial forearm flap: a versatile method for intra-oral reconstruction. British journal of plastic surgery. 1983 Jan.;36(1):1–8.

Wolff K-D, Hölzle R, Holzle F. Raising of Microvascular Flaps. Springer Verlag; 2011. p. 200.

Martins PNA, Montero EF de S. Basic microsurgery training: comments and proposal. Acta Cir Bras. 2007;22(1):79–81.

Balasundaram I, Aggarwal R, Darzi LA. Development of a training curriculum for microsurgery. British Journal of Oral & Maxillofacial Surgery. British Association of Oral and Maxillofacial Surgeons; 2010 Dec. 1;48(8):598–606.

Cigna E, Bistoni G, Trignano E, Tortorelli G, et al. Microsurgical teaching: Our experience. Journal of plastic, reconstructive & aesthetic surgery : JPRAS. Elsevier Ltd; 2010 Jun. 1;63(6):e529–e531.

Petruzzelli GJ, Brockenbrough JM, Vandevender D, Creech SD. The influence of reconstructive modality on cost of care in head and neck oncologic surgery. Arch Otolaryngol Head Neck Surg. 2002 Dec.;128(12):1377–1380.

Funk GF, Karnell LH, Whitehead S, Paulino A, et al. Free tissue transfer versus pedicled flap cost in head and neck cancer. Otolaryngology - Head and Neck Surgery. 2002 Sep.;127(3):205–212.

De Bree R, Reith R, Quak JJ, Uyl-De Groot CA, et al. Free radial forearm flap versus pectoralis major myocutaneous flap reconstruction of oral and oropharyngeal defects: a cost analysis. Clinical otolaryngology : official journal of ENT-UK ; official journal of Netherlands Society for Oto-Rhino-Laryngology & Cervico-Facial Surgery. 2007 Aug.;32(4):275–282.

Spiegel JH, Polat JK. Microvascular Flap Reconstruction by Otolaryngologists: Prevalence, Postoperative Care, and Monitoring Techniques. Laryngoscope. 2007 Mar.;117(3):485–490.

Luginbuhl AJ, Pribitkin EA, Krein H, Heffelfinger RN. Assessment of microvascular anastomosis training in otolaryngology residencies: Survey of United States program directors. Otolaryngology - Head and Neck Surgery. Elsevier Inc.; 2010 Nov. 1;143(5):633–636.

Biglioli F, Liviero F, Frigerio A, Rezzonico A, et al. Function of the sensate free forearm flap after partial glossectomy. Journal of cranio-maxillo-facial surgery : official publication of the European Association for Cranio-Maxillo-Facial Surgery. 2006 Sep. 1;34(6):332–339.

Como Citar
Cavilhas, P., Oliveira, F., Pereira, S., Costa, E., Estibeiro, H., Oliveira, L., Hebe, A., Montalvão, P., & Magalhães, M. (1). Reconstruçã o de defeito cirúrgico com retalho livre microvascularizado por otorrinolaringologistas. Revista Portuguesa De Otorrinolaringologia E Cirurgia De Cabeça E Pescoço, 52(3), 167-171. Obtido de https://journalsporl.com/index.php/sporl/article/view/452
Secção
Caso Clínico