Cuidados vocais: Truques e mitos!

  • Conceição Peixoto Interno Complementar de ORL – Centro Hospitalar Universitário de Coimbra, EPE - CHC
  • José Bastos Assistente Hospitalar Graduado de ORL – Centro Hospitalar Universitário de Coimbra, EPE - CHC
  • Carlos Ribeiro Diretor do Serviço de ORL – Centro Hospitalar Universitário de Coimbra, EPE - CHC
Palavras-chave: Profissionais da voz, Mitos, Tratamento

Resumo

Objectivo: Caracterizar os comportamentos não especializados relacionados com a voz, tendo em vista o estudo dos hábitos e das práticas para-terapêuticas, realizados por profissionais da voz. 

Desenho de estudo: Transversal 

Material e métodos: Foi desenvolvido um inquérito, distribuído por diferentes grupos de profissionais da voz, versando vários aspectos relacionados com a formação desses profissionais, hábitos e cuidados relacionados com a voz, queixas e tratamentos efetuados. Dado especial destaque para as formas terapêuticas alternativas, designadas por mezinhas. 

Resultados: Foram avaliados 134 inquéritos. A maioria da população inquirida era do sexo feminino (67,2%), com uma idade média de 43 anos. 73,8% utilizam a voz profissionalmente e 38,8% possuem hobbies relacionados com o uso vocal. 59,7% afirmaram ter conhecimentos de higiene vocal, embora 68,8% não têm conhecimentos de técnica vocal. De entre as mezinhas, o mel isoladamente (64,2%) ou a sua associação com limão (56,7%) são as mais usadas. 

Conclusão: É necessária mais formação e informação entre os profissionais da voz. Vários hábitos e formas terapêuticas alternativas foram identificados e precisam ser desmistificados.

Downloads

Não existe ainda disponível informação de downloads.

Referências

Aroson A E, Bless D M. Introduction to Clinical Voice Disorders. In: Clinical Voice Disorders. New York, Thieme; 2009:1-9.

Koufman JA, Isaacson G. Voice Disorders. Otolaryngology Clinics of North America. 1991, October, 24:965-1286.

Belau M, Feijó D, Madazio G, et al. Voz Profissional: Aspetos gerais e Atuação Fonoaudiológica. In: Belau M. Voz: O Livro do Especialista. Volume II. Rio de Janeiro, Reviter; 2001: 287-407.

Drumond LB, Vieira NB, Oliveira DSF. Speech-Language Pathology production regarding voice in popular singing. J Soc Bras Fonoaudiol. 2011;23(4):390-7.

Penteado RZ, Ribas TM. Educative processes in the vocal health of teachers: a literature review of Brazilian studies in Speech-Language Pathology and Audiology. Rev Soc Bras Fonoaudiol. 2011;16(2):233-9.

Ruben RJ. Morell Mackenzie’s The Hygiene of the Vocal Organs: a study in longevity or durability. Laryngoscope. 2014 Feb;124(2):522-30.

Timmermans B, Vanderwegen J, De Bodt MS. Outcome of vocal hygiene in singers. Curr Opin Otolaryngol Head Neck Surg. 2005 Jun;13(3):138-42.

Broaddus-Lawrence PL, Treole K, McCabe RB, Allen RL, Toppin L. The effects of preventive vocal hygiene education on the vocal hygiene habits and perceptual vocal characteristics of training singers. J Voice. 2000 Mar;14(1):58-71.

Babin E, Lemarchand V, Comoz F, et al. Laryngites chroniques de l’adulte. Encyclopédie Médico-Chirurgicale, Oto-rhino-laryngologie. 20-645-C-10, 2006: 1-10.

Belau M, Azevedo R, Pontes P. Conceito de Voz Normal e Classificação das Disfonias. In: Belau M. Voz: O Livro do Especialista.Volume I. Rio de Janeiro, Reviter; 2001: 53-84.

Aroson A E, Bless D M. Treatment of Voice Disorders. In: Clinical Voice Disorders. New York, Thieme; 2009: 231-70.

Behlau M, Oliveira G. Vocal hygiene for the voice professional. Curr Opin Otolaryngol Head Neck Surg. 2009; 17 (3):149-54.

Erickson-Levendoski E, Sivasankar M. Investigating the effects of caffeine on phonation. J Voice. 2011 Sep; 25(5):e215-9.

Sivasankar M, Leydon C. The role of hydration in vocal fold physiology. Curr Opin Otolaryngol Head Neck Surg. 2010 Jun;18(3):171-5.

Viola IC. Estudo descritivo das crenças populares no tratamento das alterações vocais em profissionais da voz. Tese de Mestrado – Pontíficia Universidade Católica de São Paulo. São Paulo,1997.

Como Citar
Peixoto, C., Bastos, J., & Ribeiro, C. (1). Cuidados vocais: Truques e mitos!. Revista Portuguesa De Otorrinolaringologia E Cirurgia De Cabeça E Pescoço, 52(3), 139-148. https://doi.org/10.34631/sporl.448
Secção
Artigo Original