Infecções periamigdalinas e cervicais profundas - Estudo prospectivo

  • Roberto Estêvão Interno Complementar de Otorrinolaringologia do Centro Hospitalar do Alto Ave
  • Sérgio Caselhos Interno Complementar de Otorrinolaringologia do Centro Hospitalar do Alto Ave
  • Rafaela Veloso Teles Interna Complementar de Otorrinolaringologia do Centro Hospitalar do Alto Ave
  • Ana Castro e Sousa Interna Complementar de Otorrinolaringologia do Centro Hospitalar do Alto Ave
  • Vânia Henriques Interna Complementar de Otorrinolaringologia do Centro Hospitalar do Alto Ave
  • Carlos Matos Assistente Graduado de Otorrinolaringologia do Centro Hospitalar do Alto Ave
  • Fausto Fernandes Director de Serviço de Otorrinolaringologia do Centro Hospitalar do Alto Ave
Palavras-chave: Abcesso periamigdalino, Infecções cervicais profundas, antibioterapia, agentes infecciosos Infecções cervicais profundas

Resumo

Objectivos: Avaliar e relacionar as características demográficas, sintomatológicas, analíticas, microbiológicas e evolutivas de doentes com infecções periamigdalinas e dos espaços cervicais profundos. 

Material e métodos: Estudo prospectivo da casuística de doentes internados no Serviço de Otorrinolaringologia do Hospital de Guimarães, de Março de 2011 a Março de 2012, com o diagnóstico de fleimão, abcesso periamigdalino ou infecção dos espaços cervicais profundos. 

Resultados: No período em estudo foram internados 47 doentes, sendo 24 do sexo masculino e 23 do feminino. A idade média dos doentes foi 31,7 ± 17,3 anos. Foram realizadas um total de 24 culturas microbiológicas. O agente mais frequentemente encontrado foi o Streptococcus Beta-hemolítico do grupo A. 

Conclusões: Os dados encontrados estão de acordo com a literatura científica. Destaca-se a importância dos factores de risco para estas infecções. O valor da Proteína C reactiva e o tipo de infecção estão correlacionados com a duração do internamento.

Downloads

Não existe ainda disponível informação de downloads.

Referências

Suehara AB, Gonçalves AJ, Alcadipani FC, Kavabata NK, et al. Infecções cervicais profundas: análise de 80 casos. Rev Bras

Otorrinolaringol. 2008; 74:253-9.

Wang LF, Kuo WR, Tsai SM, Huang KJ. Characterizations of life threatening deep cervical infections: a review of one hundred ninetysix cases. AM J Otolaryngol. 2003; 24:111-7.

Chen MK, When YS, Chang CC, Huang MT. Predisposing factors of life-threatening deep neck infection: logistic regression analysis of 214 cases. AM J Otolaryngol 1998; 27:141-4.

Pereira S, Martins JA, Novas AC, Montemor R, et al. Infecções cervicais - Casuística dum serviço de ORL. Rev. Port. de ORL e Cir. Cerv. Facial 2011; 49:139-45

Sennes L, Imamura R, Junior FV, Simoceli L, et al. Infecções dos espaços cervicais: estudo prospectivo de 57 casos. Rev Bras de Otorrinolaringol. 2002; 68:388-93

Parhiscar A, Har-El G. Deep neck abcess: a retrospective review of 210 cases. Ann Oto Rhinol Laryngol 2001; 110:1051-4

Garcia JM, Zavarce IH, Costa AS, Macía OC. Abscesso periamigdalino: Incidencia y manejo actual. Rev. Port. de ORL e Cir. Cerv. Facial 2011; 49:147-50

Ferreira M, Brito MJ, Machado MC. Abcessos faríngeos. Acta Pediatr Port 2008; 39:62-5

Lee YQ, Kanagalingam J. Bacteriology of deep neck abscesses: a retrospective review of 96 consecutive cases. Singapore Med J 2011; 52(5):351

Ogubtebi B, Slee AM, Tanzer M, Langelan K. Predominant Microflora Associated with Human Dental Periapical Abscesses. J.

Clin.Microbiol. 1982; 15:964–969

Hall SF. Peritonsillar abscess: the treatment options. AM J Otolaryngol 1990;19:226-29

Liu SA, Liaang MT, Wang CP, Wang CC et al. Pre-operative blood sugar and C-reactive protein associated with persistent discharge after incision and drainage for patients with deep neck abscess. Clin Otolaryngol. 2009; 34(4): 336-42

Ohata A, Kikuchi S, Yohinami H, Takegoshi et al. Clinical study on deep neck infection; J Otolaryng Jap 2006; 109(7): 587-93

Como Citar
Estêvão, R., Caselhos, S., Veloso Teles, R., Castro e Sousa, A., Henriques, V., Matos, C., & Fernandes, F. (1). Infecções periamigdalinas e cervicais profundas - Estudo prospectivo. Revista Portuguesa De Otorrinolaringologia E Cirurgia De Cabeça E Pescoço, 52(3), 133-138. Obtido de https://journalsporl.com/index.php/sporl/article/view/447
Secção
Artigo Original