Esvaziamento ganglionar Cervical após QT/RT no IPO FGL

  • Sara Ramalho Interna do Internato Complementar de Otorrinolaringologia do Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho
  • Luís Correia Oliveira Assistente Hospitalar Graduado do Instituto Português de Oncologia Francisco Gentil de Lisboa
  • Pedro Montalvão Assistente Hospitalar Graduado do Instituto Português de Oncologia Francisco Gentil de Lisboa
  • Hugo Estibeiro Assistente Hospitalar Graduado do Instituto Português de Oncologia Francisco Gentil de Lisboa
  • Ana Hebe Assistente Hospitalar do Instituto Português de Oncologia Francisco Gentil de Lisboa
  • Miguel Magalhães Diretor de Serviço do Instituto Português de Oncologia Francisco Gentil de Lisboa
Palavras-chave: Esvaziamento Ganglionar Cervical, oncologia, tumores da cabeça e pescoço

Resumo

Introdução: A Radioterapia (RT), associada a Quimioterapia (QT) são tratamentos propostos para muitos doentes oncológicos da área da cabeça e pescoço, sendo muitas vezes a escolha inicial, particularmente em tumores localmente avançados. A dissecção cervical seria realizada, caso necessário, se persistisse doença regional após QT/RT. A controvérsia é gerada principalmente na doença N2/N3 com resposta completa dada a difícil avaliação clínica, imagiologica e anatomo-patológica. Os defensores do esvaziamento ganglionar cervical sistemático pós QT/RT argumentam uma maior eficácia no controlo da doença regional e que uma resposta clínica não prediz necessariamente uma remissão anatomo-patológica. Por outro lado, os defensores do esvaziamento cervical apenas para doentes com evidência de doença, argumentam a baixa probabilidade de recorrência regional isolada após resposta clínica completa. A dissecção cervical sistemática apresentaria uma elevada taxa de dissecções cervicais desnecessárias, associadas a uma maior morbilidade. 

A abordagem da doença regional no IPO FGL é o esvaziamento ganglionar cervical após QT/RT se existir evidência clínica ou imagiológica de persistência de doença cervical. 

A evidência imagiológica é avaliada com recurso a TC cervical e/ou ecografia habitualmente após 6 semanas do término do tratamento de QT/RT. Mais recentemente, tem-se recorrido à PET para avaliação da resposta terapêutica. 

Objetivo: O objetivo deste trabalho é a caracterização dos doentes com tumores da cabeça e pescoço, cuja persistência clinica da doença regional após QT/RT levou a decisão cirúrgica de realização de esvaziamento ganglionar cervical para controlo da doença regional. 

Material e métodos: Foram analisados 71 processos de doentes submetidos a dissecção cervical nos anos de 2001- 2010, tendo sido excluídos os doentes cuja terapêutica inicial ou salvage envolveu cirurgia da doença local. Desta forma foram selecionados 23 doentes que realizaram QT/RT como terapêutica inicial tendo sido posteriormente submetidos a esvaziamento cervical por persistência da doença regional. 

Resultados: Dos doentes selecionados, 7 apresentaram-se com tumor primário da nasofaringe, 7 com tumor primário da amígdala, 7 da base da língua/hipofaringe e 1 com tumor primário do palato. A doença cervical foi maioritariamente avançada, nomeadamente N2/N3 em 74% dos casos. Em todos foi realizada TC para avaliação cervical após QT/RT tendo sido efetuada PET em 2 dos doentes operados. O resultado histológico dos gânglios excisados foi positivo para células neoplásicas em 83% dos doentes operados. 

Conclusão: O esvaziamento ganglionar cervical é importante no controlo da doença regional e consequente sobrevida em doentes submetidos a QT/RT por tumores da cabeça e pescoço. Os resultados obtidos são satisfatórios quanto à eficácia do follow-up pós QT/RT, resultando em cirurgia nos doentes com persistência da doença e evitando associação de morbilidade a doentes que não beneficiem de terapêutica cirúrgica.

Downloads

Não existe ainda disponível informação de downloads.

Referências

Ferlito A, Corry J, Silver CE, Shaha AR, et al. Planned neck disseccion for patients with complete response to chemoradiotherapy: a concept approaching obsolescence. Head Neck 2010; 32: 253-61

WHO. Handbook for reporting results of cancer treatment. Geneva, Suiça: World Health Organisation; 1979. P 48

Therasse P, Arbuck SG, Eisenhauer EA, et al. New guidelines to evaluate the response to treatment in solid tumors. European Organization for Research and Treatment of Cancer, National Cancer Institute of the United States, National Cancer Institute of Canada. J Natl Cancer Inst 2000; 92: 205-216

Miriam N, Lango MD, Jeffrey N, Myers MD, et al. Controversies in Surgical Management of the Node-Positive Neck after Chemoradiation. Seminars in Radiation Oncology, 2009 Jan 19(1): 24-28

Thariat J, Hamoir M, Janot F, De Mones E, et al. Place du curage ganglionnaire après chimioradiotherapie dans les carcinomes epidermoides des voies aerodigestives superieures avec atteinte ganglionnaire initiale (nasopharynx exclu). Cancer Radiothérapie 13 (2009) 758-770

The Departments of Veterans Affairs Laryngeal Cancer Study Group. Induction chemotherapy plus radiation compared with surgery plus radiation in patients with advanced laryngeal cancer. N Engl J Med 1991; 324: 1685-90

Mendenhall WM, Villaret DB, Amdur RJ, Hinerman RW, et al. Planned neck dissection after definitive radiotherapy for squamous cell carcinoma of the head and neck. Head Neck 2002; 24: 1012-1018

Velazquez RA, McGuff Hs, Sycamore D, Miller FR. The role of computed tomographic scans in the management of the N-positive neck in head and neck squamous cell carcinoma after chemotherapy. Arch Otolaryngol Head Neck Surg 2004; 30: 70-74

Roy S, Tibesar RJ, Daly K, et al.Role of planned neck dissection for advanced metastatic disease in tongue base or tonsil squamous cell carcinoma treated with radiotherapy. Head Neck 2002; 24: 474-481

Van der Putten L, Van der Broek GB, de Bree, et al. Effectiveness of salvage selective and modified radical neck dissection for regional pathologic lymphadenopaty after chemoradiation. Head Neck 2009; 31: 593-603

Porceddu SV, Jarmolowski E, Hicks RJ, et al. Utility of positron emission tomography for the detection of disease in residual neck nodes after chemoradiotherapy in head and neck cancer. Head Neck 2005; 27: 175-181

Stenson KM, Haraf DJ, Pelzer H , et al. The role of cervical lymphadenectomy after aggressive concomitant chemoradiotherapy: the feasibility of selective neck dissection. Arch Otolaryngol Head Neck Surg 2000; 126:950-956

Goguen LA, Chapuy CI, Li Y, Zhao SD, et al. Neck dissection after chemoradiotherapy: timing and complications. Arch Otolaryngol Head Neck Surg 2010; 36: 1071-1077

Ganly I, Bocker J, Carlson DL, et al. Viable tumor in postchemoradiation neck dissection specimens as an indicator of poor outcome. Head Neck 2011; 33: 1387-1393

Sher DJ, Tishler RB, Annino D, Punglia RS. Coast-effectiveness of CT and PET/CT for determining the need of adjuvant neck dissection in locally advanced head and neck cancer. Ann Oncol 2009; 21:1072-1077

Hillel AT, Fakhry C, Pai SI, et al. Selective versus comprehensive neck dissection after chemoradiation for advanced oropharyngeal squamous cell carcinoma. Otolaryngol Head Neck Surg 2009; 141: 737-742

Como Citar
Ramalho, S., Correia Oliveira, L., Montalvão, P., Estibeiro, H., Hebe, A., & Magalhães, M. (1). Esvaziamento ganglionar Cervical após QT/RT no IPO FGL. Revista Portuguesa De Otorrinolaringologia E Cirurgia De Cabeça E Pescoço, 52(3), 127-131. https://doi.org/10.34631/sporl.446
Secção
Artigo Original