Tumores benignos nasossinusais: Estudo retrospectivo

  • Ana Castro Sousa Interna Formação Específica em Otorrinolaringologia no Centro Hospitalar do Alto Ave
  • Vânia Henriques Interna Formação Específica em Otorrinolaringologia no Centro Hospitalar do Alto Ave
  • Roberto Estevão Interno Formação Específica em Otorrinolaringologia no Centro Hospitalar do Alto Ave
  • Jorge Rodrigues Interno Formação Específica em Otorrinolaringologia no Centro Hospitalar do Alto Ave
  • Alexandra Gomes Interna Formação Específica em Otorrinolaringologia no Centro Hospitalar do Alto Ave
  • Sergio Caselhos Assistente de Otorrinolaringologia do Centro Hospitalar do Alto Ave
  • Rui Fonseca Assistente Graduado de Otorrinolaringologia do Centro Hospitalar do Alto Ave
  • Fausto Fernandes Director de Serviço de ORL do Centro Hospitalar do Alto Ave
Palavras-chave: tumores nasossinusais, cirurgia endoscópica nasossinusal, papiloma, osteoma, hemangioma, displasia fibrosa

Resumo

Introdução: Os Tumores Benignos Nasossinusais (TBN) são raros e usualmente assintomáticos. Englobam um grupo histopatológico heterógeneo de neoplasias que podem ser classificadas do seguinte modo: fibro-ósseas, neurogénicas, vasculares, epiteliais e odontogénicas. A Tomografia computadorizada (TC) e a Ressonância Magnética (RM) são fundamentais na avaliação da localização e extensão da lesão, diagnóstico diferencial e planeamento cirúrgico. O tratamento cirúrgico está indicado nos casos sintomáticos, se ocorrerem complicações ou se houver suspeita/potencial de malignidade. As técnicas endonasais minimamente invasivas têm vindo a substituir as abordagens externas clássicas (transfacial ou craniofacial).

Objectivo: Avaliar a experiência do serviço de Otorrinolaringologia (ORL) do Centro Hospitalar do Alto Ave (CHAA) no que respeita aos TBN submetidos a tratamento cirúrgico. Material e Métodos: Estudo retrospectivo (período: últimos 10 anos)

Resultados: Foram avaliados um total de 32 doentes. O tumor mais frequente foi o papiloma nasossinusal (PN) (56%), seguido dos Osteomas (25%). A idade média de apresentação foi de 52 anos com predomínio do sexo masculino (60%). A obstrução nasal foi o sintoma de apresentação mais frequente. A abordagem cirúrgica por cirurgia endoscópica nasossinusal (CENS) foi a mais utilizada (87%). Verificou-se recidiva em 7 casos: 6 casos de Papiloma e 1 caso de Osteoma. São descritas e discutidas características de cada um dos TBN incluídos nesta série, e os resultados obtidos foram comparados com estudos semelhantes publicados na literatura.

Conclusão: O diagnóstico diferencial com tumores malignos é de extrema importância, dada a semelhança clínica e radiológica com os TBN. Os TBN, apesar de pouco frequentes na rotina do otorrinolaringologista, podem ser causa de morbilidade considerável. O tratamento cirúrgico será uma opção em casos particulares. A filosofia do tratamento deverá seguir um algoritmo balanceado entre a necessidade de ressecção e os efeitos adversos inerentes à remoção cirúrgica.

Downloads

Não existe ainda disponível informação de downloads.

Referências

-Harvey Richard, O.Sheahan P., et al, Surgical management of benign

sinonasal masses, Otolaryngol Clin N Am 42 (2009) 353-375;

-Eviatar E, Vaiman M, Shalamkovitch N, Segal S, et al. removal of

sinonasal tumors by the endonasal endoscopic approach. Isr Med

Assoc J. 2004 Jun; 6(6):346-9;

-Piero Nicolai, Paolo Castelnuovo, Benign tumors of the sinonasal

tract,Cummings, chapther 48 (740-751);

-Gitta Madani, Timothy J. Beale, et al, Imaging of Sinonasal Tumors,

Elsevier, 2009, University College Hospital London

-Baradaranfar MH, Dabirmoghaddam P. Endoscopic endonasal

surgery for resection of benign sinonasal tumors:experience with 105

patients. Arch Iran Med. (2006) 2006 Jul; 9(3):244-9;

-Mortuaire G, Arzul E, Darras JA, Chevalier D. Surgical management

of sinonasal inverted papillomas through endoscopic approach in the

manegement of inverted papiloma. Curr Opin Otolaryngol Head Neck

Surg. 2011 Feb; 19(1):21-4;

-Lund V, Stammberger H, Nicolai P, et al. European position paper on

endoscopic management of tumours of the nose, paranasal sinuses

and skull base. Rhinol Suppl 2010; 1-143;

-Mortuaire G, Arzul E, Darras JA, Chavalier D. Surgical management

of sinonasal inverted papillomas through endoscopic approach. Eur

Arch Otorhinolaryngol. 2007 Dec; 264(12):1419-24;

-Tiago RSL, Melo ECM, Fobé LPO. Osteomas frontoetmoidais: aspectos

clínicos e cirúrgicos. Ver Bras Otorrinolaringol 2002; 68:516-20;

-Savic DJL, Djeric DR. Indications for the surgical treatment os

osteomas of the frontal and ethmoid sinuses. Clin Otolaryngol 1990;

:397-404;

-Mansour AM, Salti HS. Ethmiod Sinus Osteoma presenting as

epiphora and orbital cellulitis:case report anda literature review. Surv

Ophthalmol 1999, 43(5(:413-26;

-Ciapetta P, Deldini R: surgical strategies in the treatment of

symptomatic osteomas of the orbital walls. Neurosurgery, 31:628,

;

-Cummings Otholaryngology Head and Neck Surgery - capítulo 49-

tumores benignos nasossinusais, pág.2080;

Publicado
2016-04-08
Como Citar
Castro Sousa, A., Henriques, V., Estevão, R., Rodrigues, J., Gomes, A., Caselhos, S., Fonseca, R., & Fernandes, F. (2016). Tumores benignos nasossinusais: Estudo retrospectivo. Revista Portuguesa De Otorrinolaringologia E Cirurgia De Cabeça E Pescoço, 54(1), 55-62. https://doi.org/10.34631/sporl.392
Secção
Artigo de Revisão