Timpanoplastias Tipo I em Idade Pediátrica: Os Nossos Resultados

  • Ana Nóbrega Pinto Serviço de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial do Centro Hospitalar do Porto
  • Teresa Soares Serviço de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial do Centro Hospitalar do Porto
  • Miguel Bebiano Coutinho Serviço de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial do Centro Hospitalar do Porto
  • Cecília Almeida Sousa Serviço de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial do Centro Hospitalar do Porto
Palavras-chave: Perfuração timpânica, Timpanoplastia tipo I, Pediatria

Resumo

Objectivos: Avaliar os resultados da timpanoplastia tipo I em idade pediátrica e analisar alguns factores referidos como potenciais determinantes no seu sucesso.

Desenho do Estudo: Estudo observacional, analítico e retrospectivo

Material e Métodos: Análise de 22 processos clínicos referentes a crianças (<18 anos)  submetidas a timpanoplastia tipo I primária no Centro Hospitalar do Porto, entre 01/01/2013 e 31/01/2014. Recolha e análise de variáveis individuais bem como determinação da taxa de sucesso anatómico e funcional correspondentes.

Resultados: Obteve-se uma taxa de sucesso anatómico de 73% e de sucesso funcional de 82% (tempo médio de seguimento: 16.77±7.11 meses). As taxas de sucesso não foram significativamente diferentes entre os dois grupos etários analisados. O menor sucesso anatómico nas perfurações maiores foi estatisticamente significativo.

Conclusões: As taxas de sucesso obtidas são concordantes com os resultados descritos na literatura. Neste estudo a única variável relacionada a insucesso anatómico e funcional foi o tamanho da perfuração. 

Downloads

Não existe ainda disponível informação de downloads.

Referências

Collins WO, Telischi FF, Balkany TJ, Buchman CA. Pediatric Tympanoplasty: Effect of contralateral ear status on outcomes. Arch Otolaryngol Head Neck Surg. 2003;129(6):646-651.

Geros S, Ribeiro D, Castro F, Robles R, et al. Timpanoplastia tipo I pediátrica: definição de sucesso e factores que afectam o prognóstico. Cadernos de Otorrinolaringologia. 2014. http://www.cadernosorl.com/artigos/15/8.pdf Acedido em Janeiro 15, 2015.

Sarkar S, Roychoudhury A, Roychaudhuri BK. Tympanoplasty in Children. Eur Arch Otorhinolaryngol. 2009;266:627-633.

Boronat-Echeverría NE, Reyes-Garcia E, Sevilla-Delgado Y, Aguirre-Mariscal H, et al. Prognostic factors of sucessful tympanoplasty in pediatric patients: a cohort study. BMC Pediatrics. 2012;12:67.

Vrabec JT, Deskin RW, Grady JJ. Meta-analysis of Pediatric Tympanoplasty. Arch Otolaryngol Head Neck Surg. 1999;125(5):530-534.

Duval M, Grimmer JF, Meier J, Muntz R, et al. The effect of age on pediatric tympanoplasty outcomes: A comparison of preschool and older children. Int J Pediatr Otorhinolaryngol. 2015;79: 336-341.

Ribeiro JC, Cerejeira R, Silvestre N, Romão J, Paiva A. Tympanoplasty in children: A review of 91 cases. Auris Nasus Larynx. 2011;38:21-25.

Te GO, Rizer FM, Schuring AG. Pediatric tympanoplasty of iatrogenic perforations from ventilation tube therapy. Am J Otol. 1998;19:301-305.

Rollin M, Rogers P, Robinson P. Natural history of pediatric tympanic membrane perforation. Otol Neurotol. 2011;32:246-251.

Colaço J, Moreira I, Monteiro L. Fatores de prognóstico nas timpanoplastias simples em crianças – casuística de 4 anos do Hospital de Dona Estefânia (HDE) do Centro Hospitalar Lisboa Central (CHCL-EPE). Anuario HDE. 2011. http://anuariohde.com/artigos_posters/artigos/436.pdf Acedido em Janeiro 15, 2015.

Committee on hearing and equilibrium guidelines for the evaluation of results of treatment of conductive hearing loss. Otolaryngol Head Neck Surg 1995;113:186–8

Singh GB, Sidhu TS, Sharma A, Singh N. Tympanoplasty type I in children–an evaluative study. Int J Pediatr torhinolaryngol. 2005; 69:1071–1076.

Lee P, Kelly G, Mills RP. Myringoplasty: does the size of the perforation matter? Clin Otolaryngol Allied Sci. 2002 Oct; 27(5):331-4.

Publicado
2017-05-07
Como Citar
Pinto, A. N., Soares, T., Coutinho, M. B., & Sousa, C. A. (2017). Timpanoplastias Tipo I em Idade Pediátrica: Os Nossos Resultados. Revista Portuguesa De Otorrinolaringologia E Cirurgia De Cabeça E Pescoço, 54(2), 105-109. Obtido de https://journalsporl.com/index.php/sporl/article/view/357
Secção
Artigo Original