Estesioneuroblastoma: Experiência de 15 Anos do IPOLFG

  • Margarida Boavida Interno do Complementar do Serviço de Otorrinolaringologia do Hospital Prof. Doutor Fernando Fonseca
  • Inês Delgado Interno do Complementar do Serviço de Otorrinolaringologia do Hospital Prof. Doutor Fernando Fonseca
  • Rui Cabral Interno do Complementar do Serviço de Otorrinolaringologia do Hospital de Egas Moniz, Centro Hospitalar Lisboa Ocidental
  • Isabel Correia Interno do Complementar do Serviço de Otorrinolaringologia do Hospital de São José, Centro Hospitalar Lisboa Central
  • Luís Oliveira Assistente de Otorrinolaringologia do Instituto Português de Oncologia de Lisboa Francisco Gentil
  • Pedro Montalvão Chefe do Serviço de Otorrinolaringologia do Instituto Português de Oncologia de Lisboa Francisco Gentil
  • Miguel Magalhães Director do Serviço de Otorrinolaringologia do Instituto Português de Oncologia de Lisboa Francisco Gentil
Palavras-chave: Estesioneuroblastoma, sistema de classificação Kadish modificado

Resumo

Objectivo: O objetivo deste estudo é analisar as características clinico-patológicas, tratamento e prognóstico do estesioneuroblastoma (ENB).

Material e métodos: Foram revistos retrospectivamente 18 casos consecutivos de ENB tratados num centro de referência oncológica, entre 1999 e 2014.

Resultados: A idade média foi 56 anos, sendo 61% dos doentes do sexo feminino. De acordo com o sistema de classificação de Kadish modificado, 5 doentes tinham estadio inicial B, 12 estadio C e 1 estadio D. Doze doentes foram tratados inicialmente com cirurgia e radioterapia adjuvante, 2 com cirurgia e quimioradioterapia adjuvante, 3 apenas com radioterapia (1 dos quais paliativa) e 1 apenas com quimioterapia paliativa. A análise das curvas de Kaplan Meier estimou uma sobrevida de 76% aos 2 anos de follow-up e 59% aos 5 anos de follow-up.

Conclusões: No nosso estudo, os doentes com estadio Kadish menos avançado ou que foram submetidos a cirurgia apresentaram uma maior sobrevida livre de doença.

Downloads

Não existe ainda disponível informação de downloads.

Referências

Spiro JD, Soo KC, Spiro RH. Nonsquamous cell malignant neoplasms of the nasal cavities and paranasal sinuses. Head Neck. 1995 Mar-Apr;17(2):114-8.

Somenek M. Esthesioneuroblastoma. Medscape. Apr 2015.

Deniz T, Ozcan Y, Fatih S et al., “Olfactory Neuroblastomas: An Experience of 24 Years,” ISRN Oncology, vol. 2011, Article ID 451086, 7 pages, 2011. doi:10.5402/2011/451086.

Modesto A, Blanchard P, Tao YG, Rives M, Janot F, Serrano E, Benlyazid A, Guigay J, Ferrand FR, Delord JP, Bourhis J, Daly-Schveitzer N. Multimodal treatment and long-term outcome of patients with esthesioneuroblastoma. Oral Oncol. 2013 Aug;49(8):830-4. doi: 10.1016/j.oraloncology.2013.04.013. Epub 2013 Jun 5.

Eich HT, Hero B, Staar S, Micke O, Seegenschmiedt H, Mattke A, Berthold F, Müller RP. Multimodality therapy including radiotherapy and chemotherapy improves event-free survival in stage C esthesioneuroblastoma. Strahlenther Onkol. 2003 Apr;179(4):233-40.

El Kababri M, Habrand JL, Valteau-Couanet D, Gaspar N, Dufour C, Oberlin O. Esthesioneuroblastoma in children and adolescent: experience on 11 cases with literature review. J Pediatr Hematol Oncol. 2014 Mar;36(2):91-5. doi:10.1097/MPH.0000000000000095.

Dulguerov P, Allal AS, Calcaterra TC. Esthesioneuroblastoma: a meta-analysis and review. Lancet Oncol. 2001 Nov;2(11):683-90.

Publicado
2016-03-04
Como Citar
Boavida, M., Delgado, I., Cabral, R., Correia, I., Oliveira, L., Montalvão, P., & Magalhães, M. (2016). Estesioneuroblastoma: Experiência de 15 Anos do IPOLFG. Revista Portuguesa De Otorrinolaringologia E Cirurgia De Cabeça E Pescoço, 53(4), 251-254. Obtido de https://journalsporl.com/index.php/sporl/article/view/338
Secção
Artigo de Revisão