Surdez em São Tomé e Príncipe: Análise de 2 anos de missões humanitárias

  • Cristina Paiva Chaves Caroça Hospital CUF Infante Santo Faculdade de Ciências Médicas de Lisboa http://orcid.org/0000-0001-8096-8895
  • Paula Campelo Hospital CUF Infante Santo
  • Susana Nunes Silva Investigadora, Centro de Toxicogenómica e Saúde Humana (ToxOmics), NOVA Medical School / FCML-UNL http://orcid.org/0000-0002-9122-0732
  • João Paço Diretor Clínico Hospital CUF Infante Santo; Regente da Unidade Curricular de ORL da FCML-UNL
Palavras-chave: Malária, São Tomé e Príncipe, Surdez Neurossensorial

Resumo

Introdução: A audição é um importante sentido para a integração de um indivíduo na comunidade, por esse motivo é importante a identificação dos fatores associados à surdez. Neste trabalho propomos revelar os dados audiológicos verificados durante 2 anos de missões humanitárias de Otorrinolaringologia e a identificação de eventuais fatores de risco para a surdez.

Desenho do Estudo - Material e Métodos: Avaliámos todos os indivíduos que procuraram a consulta de audiologia no decurso das missões humanitárias em São Tomé e Príncipe de 2012 a 2014. Foram observados por um médico de otorrinolaringologia, onde para além de observação foi efetuado um questionário clínico onde foram pesquisados fatores de risco (história familiar de surdez, co-sanguinidade, história de malária clínica, terapêutica antimalárica, história gestacional e peri-parto, história otítica, história de traumatismo craniano) e realizada avaliação audiológica por um audiologista. Os dados foram processados e analisados numa base de dados da IBM SPSS 20.0.

Resultados: Dos 721 indivíduos observados, foram excluídos 77 por não conterem registo de avaliação audiológica, obtendo 644 registos clínicos para o estudo. Verificámos uma prevalência de surdez neurossensorial de 35,7%, surdez de condução de 2,9% e mista de 1,9%. Os restantes indivíduos eram normouvintes (59,5%). Destes indivíduos normouvintes, 26% eram indivíduos apenas com um ouvido ouvinte – surdez unilateral. Dos factores de risco analisados a história de malária clínica foi o único factor de risco que se revelou mais significativo.

Discussão: A prevalência de surdez na amostra avaliada foi elevada, afastando-se dos valores esperados. Numa população de um país subdesenvolvido, e de acordo com os dados da Organização Mundial de Saúde, seria de esperar uma maior prevalência da surdez de condução e mista. No entanto, neste trabalho verificamos uma maior prevalência da surdez neurossensorial. A malária ou mesmo a terapêutica instituída no seu tratamento podem estar a contribuir para os resultados audiológicos obtidos.

Conclusão: A surdez nem sempre tem uma causa única. Existem um conjunto de fatores que ao interagirem podem desencadear o aparecimento de surdez. Neste trabalho a malária revelou ser o fator de risco mais significativo na associação com a surdez neurossensorial em São Tomé e Príncipe. Mais estudos estão a ser realizados na identificação de outros fatores de risco.

Downloads

Não existe ainda disponível informação de downloads.

Referências

Olusanya BO, Neumann KJ, Saunders JE. The global burden of disabling hearing impairment: a call to action. Bull World Health Organ; 2014 p. 367–73.

Plano de apresentação Considerações metodológicas Estrutura da população Dinâmica da população Condições de vida das famílias. 2012;2012.

4a Reunião dos Ministros da Saúde dos Pequenos Estados Insulares em Desenvolvimento da Região Africana 16-18 de abril 2013. 2013.

WHO. Country Profiles. World Malaria Report. WHO; 2014. 140 p.

Who N. Media centre Many countries lack capacity to prevent and treat hearing loss. WHO. 2014. p. 12–4.

Lasisi O a, Ayodele JK, Ijaduola GT a. Challenges in management of childhood sensorineural hearing loss in sub-Saharan Africa, Nigeria. Int J Pediatr Otorhinolaryngol. 2006 Apr;70(4):625–9.

Morzaria S, Westerberg BD, Kozak FK. Systematic review of the etiology of bilateral sensorineural hearing loss in children. Int J Pediatr Otorhinolaryngol. 2004 Sep;68(9):1193–8.

Zakzouk SM, Al-Anazy F. Sensorineural hearing impaired children with unknown causes: a comprehensive etiological study. Int J Pediatr Otorhinolaryngol. 2002 May 31;64(1):17–21.

Shet A. Congenital and perinatal infections: throwing new light with an old TORCH. Indian J Pediatr. 2011 Jan;78(1):88–95.

WHO. Immunization Profile - Sao Tome and Principe [Internet]. 2013. p. 1–12. Available from: http://apps.who.int/vaccines/globalsummary/immunization/countryprofileresult.cmf?C=stp

Zhao SZ, Mackenzie IJ. Deafness: malaria as a forgotten cause. Ann Trop Paediatr. 2011 Jan;31(1):1–10.

Schmutzhard J, Kositz CH, Lackner P, Pritz C, Glueckert R, Fischer M, et al. Murine cerebral malaria: histopathology and ICAM 1 immunohistochemistry of the inner ear. Trop Med Int Health. 2011 Aug;16(8):914–22.

Schmutzhard J, Kositz CH, Lackner P, Dietmann A, Fischer M, Glueckert R, et al. Murine malaria is associated with significant hearing impairment. Malar J. 2010 Jan;9:159.

Freeland A, Jones J, Mohammed NK. Sensorineural deafness in Tanzanian children--is ototoxicity a significant cause? A pilot study. Int J Pediatr Otorhinolaryngol. Elsevier Ireland Ltd; 2010 May;74(5):516–9.

Gürkov R, Eshetu T, Miranda IB, Berens-Riha N, Mamo Y, Girma T, et al. Ototoxicity of artemether/lumefantrine in the treatment of falciparum malaria: a randomized trial. Malar J. 2008 Jan;7:179.

Carrara VI, Phyo AP, Nwee P, Soe M, Htoo H, Arunkamomkiri J, et al. Auditory assessment of patients with acute uncomplicated Plasmodium falciparum malaria treated with three-day mefloquine-artesunate on the north-western border of Thailand. Malar J. 2008 Jan;7:233.

Hutagalung R, Htoo H, Nwee PAW, Arunkamomkiri J, Zwang J, Nosten F. A CASE-CONTROL AUDITORY EVALUATION OF PATIENTS TREATED WITH. Trop Med. 2006;74(2):211–4.

Roche RJ, Silamut K, Pukrittayakamee S, Looareesuwan S, Molunto P, Boonamrung S, et al. Quinine induces reversible high-tone hearing loss. Br J Clin Pharmacol. 1990 Jun;29(6):780–2.

Burch-Sims GP, Matlock VR. Hearing loss and auditory function in sickle cell disease. J Commun Disord. 2005;38(4):321–9.

Mgbor N, Emodi I. Sensorineural hearing loss in Nigerian children with sickle cell disease. Int J Pediatr Otorhinolaryngol. 2004 Nov;68(11):1413–6.

Kuzniewicz MW, Wickremasinghe a. C, Wu YW, McCulloch CE, Walsh EM, Wi S, et al. Incidence, Etiology, and Outcomes of Hazardous Hyperbilirubinemia in Newborns. Pediatrics. 2014;4–11.

Worley G, Erwin CW, Goldstein RF, Provenzale JM, Ware RE. Development of SensorineuraI Hearing Loss After Neonatal Hyperbilirubinemia : A Case Report with Brain Magnetic Imaging Delaved. Dev Med Child Neurol. 1996;38:271–7.

Publicado
2016-04-08
Como Citar
Caroça, C. P. C., Campelo, P., Silva, S. N., & Paço, J. (2016). Surdez em São Tomé e Príncipe: Análise de 2 anos de missões humanitárias. Revista Portuguesa De Otorrinolaringologia E Cirurgia De Cabeça E Pescoço, 54(1), 5-11. Obtido de https://journalsporl.com/index.php/sporl/article/view/314
Secção
Artigo Original