Influência do Rinne audiométrico pré-operatório no sucesso técnico da estapedotomia

  • Victor F. Certal Interno Complementar ORL – CHEDV, Portugal
  • Hélder Silva Assistente Hospitalar ORL – CHEDV, Portugal
  • João Martins Interno Complementar ORL – CHEDV, Portugal
  • Tiago Santos Interno Complementar ORL – CHEDV, Portugal
  • Carlos Carvalho Director de Serviço ORL – CHEDV (Centro Hospitalar Entre Douro e Vouga), Portugal
Palavras-chave: Otosclerose, Rinne audiométrico, estapedotomia

Resumo

Introdução: O principal objectivo deste estudo é determinar a influência do Rinne audiométrico pré-operatório (ABG), como factor prognóstico independente, no sucesso técnico da estapedotomia.

Material e Métodos: Os autores elaboraram um estudo de caso-controlo onde foram revistos os registos clínicos de 118 doentes submetidos a estapedotomias com um encerramento incompleto do air-bone gap (ABG> 10dB), e 285 doentes submetidos a estapedotomias com um encerramento completo do Rinne audiométrico (ABG ≤ 10dB). O primeiro grupo foi considerado o grupo de estudo, e o segundo, o grupo de controlo. Em seguida, ambos os grupos foram subdivididos em duas categorias, de acordo com o Rinne audiométrico préoperatório médio (ABG ≤ 30dB e ABG> 30dB). Para analisar os resultados, os autores utilizaram modelo de regressão logística multivariado, onde a associação entre a magnitude da ABG pré-operatório e o sucesso técnico da cirurgia do estribo foi ajustada para os principais factores de confusão.

Resultados: Trinta e cinco estapedotomias do grupo de casos tiveram um ABG pré-operatório ≤ 30dB (29,6%) sendo que as restantes 83 estapedotomias tiveram um ABG pré-operatório> 30dB (70,4%). Por outro lado, 118 estapedotomias do grupo de controlo tiveram um ABG pré-operatório ≤ 30dB (41,4%), e as restantes 167 tiveram um ABG pré-operatório> 30dB (58,6%). O ABG pré-operatório médio foi de 41.7dB no grupo de casos (Desvio padrão [DP]: 7.7) e 32.4dB no grupo controlo (DP: 7.5). Um ABG pré-operatório ≤ 30dB foi associado a um melhor sucesso técnico (odds ratio, 1,68; intervalo de confiança 95% [IC], 1,06-2,65). Esta associação persiste quando a idade, raça, lado operado, e diâmetro de próteses foram incluídos no modelo multivariado (Odds Ratio ajustado, 1,70, 95% [IC] 1,07-2,7).

Conclusões: Os resultados sugerem que o ABG pode ser um factor prognóstico válido para prever o sucesso técnico da estapedotomia. A magnitude do encerramento ABG é superior nos casos com ABG pré-operatório menor quando comparados com aqueles com maior ABG pré-operatório.

Downloads

Não existe ainda disponível informação de downloads.

Referências

Karosi T, Sziklai I. Etiopathogenesis of otosclerosis. Eur Arch Otorhinolaryngol. 2010; 267:1337-1349.

Shea J. Forty years of stapes surgery. Am J Otol, 1998. 19(1):52-5.

Committee on Hearing and Equilibrium guidelines for the evaluation of results of treatment of conductive hearing loss. AmericanAcademy of Otolaryngology-Head and Neck Surgery foundation, Inc. Otolaryngol Head Neck Surg. 1995; 113:186-187.

Monsell EM. New and revised reporting guidelines from the Committee on Hearing and Equilibrium. American Academy of Otolaryngology-Head and Neck Surgery Foundation, Inc. Otolaryngol Head Neck Surg. 1995; 113:176-178.

Shea J, Farrior J. Stapedectomy and round window closure. Laryngoscope. 1987;97:10–2.

Amedee R, Lewis M. Obliterative otosclerosis. Laryngoscope. 1987;97:922–4.

Aarnisalo A, Vasama JP, Hopsu E, Ramsay H. Long-term hearing results after stapes surgery: a 20-year follow-up. Otol Neurotol. 2003. 24(4):567-71.

Somers T, Govaerts P, Marquet T, Offeciers E. Statistical analysis of otosclerosis surgery performed by Jean Marquet. Ann Otol Rhinol Laryngol. 1994. 103(12): 945-51.

Ramsay H, Karkkainen J, and Palva T. Success in surgery for otosclerosis: hearing improvement and other indicators. Am J Otolaryngol. 1997. 18(1): 23-8.

Gros A, Vatovec J, Zargi M, Jenko K. Success rate in revision stapes surgery for otosclerosis. Otol Neurotol. 2005. 26(6):1143-8.

Bruijn AJ, Tange RA, and Dreschler WA. Efficacy of evaluation of audiometric results after stapes surgery in otosclerosis. I. The effects of using different audiologic parameters and criteria on success rates. Otolaryngol Head Neck Surg. 2001. 124(1):76-83.

Kisilevsky VE, Bailie NA, Halik JJ. Results of stapedotomy in otosclerosis with severe and profound hearing loss. J Otolaryngol Head Neck Surg. 2010; 39:244-252.

Como Citar
Certal, V. F., Silva, H., Martins, J., Santos, T., & Carvalho, C. (1). Influência do Rinne audiométrico pré-operatório no sucesso técnico da estapedotomia. Revista Portuguesa De Otorrinolaringologia E Cirurgia De Cabeça E Pescoço, 51(2), 117-121. Obtido de https://journalsporl.com/index.php/sporl/article/view/22
Secção
Artigo de Revisão