Mastoidectomia canal wall up versus canal wall down - 10 anos de experiência

Autores

  • Ana Castro Sousa Interno Formação Específica em Otorrinolaringologia noCentro Hospitalar do Alto Ave, Portugal
  • Vânia Henriques Interno Formação Específica em Otorrinolaringologia no Centro Hospitalar do Alto Ave, Portugal
  • Rafaela Teles Interno Formação Específica em Otorrinolaringologia no Centro Hospitalar do Alto Ave, Portugal
  • Sérgio Caselhas Interno Formação Específica em Otorrinolaringologia no Centro Hospitalar do Alto Ave, Portugal
  • Roberto Estevão Interno Formação Específica em Otorrinolaringologia no Centro Hospitalar do Alto Ave, Portugal
  • Rui Fonseca Assistente Graduado de Otorrinolaringologia no Centro Hospitalar do Alto Ave, Portugal
  • Ângelo Fernandes Assistente Hospitalar de Otorrinolaringologia no Centro Hospitalar do Alto Ave, Portugal
  • Fausto Fernandes Director de Serviço de Otorrinolaringologia do Centro Hospitalar do Alto Ave, Portugal

DOI:

https://doi.org/10.34631/sporl.20

Palavras-chave:

Otite media crónica, colesteatoma, mastoidectomia

Resumo

Objectivo: Apresentar a experiência do serviço de Otorrinolaringologia (ORL) do Centro Hospitalar do Alto Ave (CHAA) no tratamento cirúrgico da Otite Média Crónica Colesteatomatosa (OMCC), abordando os dois principais procedimentos cirúrgicos: Mastoidectomia “Canal Wall Up” (MCWU) e Mastoidectomia “Canal Wall Down” (MCWD).

Material e Métodos: Estudo Retrospectivo Quantitativo Observacional Descritivo. Foram consultados 150 processos clínicos de doentes com OMCC submetidos a MCWU e MCWD no período de Janeiro de 2002 a Dezembro de 2011. Analisaram-se diversas variáveis tais como: idade, sexo, técnica cirúrgica, taxa de recidiva e ganho funcional (Hearing Outcomes).

Resultados e Conclusões: A MCWD foi o procedimento cirúrgico realizado em 76 ( 51%) doentes e a MCWU foi realizada em 74 ( 49%) doentes. Realizaram -se 101 ossiculoplastias no primeiro tempo cirúrgico. A localização da OMCC predominante foi ático e antrum. A recidiva verificou-se em 10% dos casos, a maioria associada à técnica MCWU. Considerando a diferença do gap ( via aérea/via óssea) no pré-operatório e gap (via aérea/óssea) no pós operatório aplicada a cada um dos dois tipos de procedimento cirúrgico, constatou-se que na MCWU houve uma diminuição média da diferença de gap de 4,2±11,8 dB e na MCWD um aumento médio de 0,2±12,1 dB. Perante os resultados deste estudo concluiu-se que o ganho funcional foi melhor usando a técnica MCWU. Contudo, a taxa de recorrência foi consideravelmente mais alta na referida técnica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Olszewska E, Wagner M, Sprekelsen MB, Ebmeyer J, Dazert S, Hildmann H e al. Etiopathogenesis of cholesteatoma. Eur Arch of Otorhinolaryngol 2004;261 (1):6-24

Uchida Y, Ueda H, Nakashima T. Bezold’s abscess arising with recurrent cholesteatoma 20 years after the first surgery: with a review of the 18 cases published in Japan since 1960. Auris Nasus Larynx. 2002;29:375-378.

Goçmen H, Kilic R et al, Surgical treatment of cholesteatoma in children. ENT Department, Ministry of Health, Ankara Research and Training Hospital, Ankara, Turkey, Março 2003

Naclerio R, Neely JG, Alford B. A retrospective analysis of the intact canal wall tympanoplasty with mastoidectomy. Am J Otol 1981;2:315-317

Rex S, Haberman H and Michele St. Martin, Canal Wall Up Mastoidectomy, chapter 8, 55

Hungria H. Hungria Otorrinolaringologia.8 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2000

Vartiainem E, Nuutinem J. Long term results of surgical treatment in different cholesteatoma types. Am J Otol 1993; 14(5):507-11

Kemppaimen H, Puhakka HJ, Sipila MM, Manninen MP, Karma PH. Epidemiology and etiology of middle ear cholesteatoma. Acta Otolaryngol 1999;119(1):568-72

Browning G, Merchant S, et al, Chronic otitis media. Scott-Brown’s Otorhinolaryngology, 7th edition, 237c

Tos M, Lau T. Hearing after surgery for cholesteatoma using various techniques. Auris Nasus Larynx.1989;16(2);61-73

Cook JA, Krishnan S, Fagan PA. Hearing results following modified redical versus canal-up mastoidectomy. Ann Otol Rhinol Laryngol.1996 May;105(5):379-383

El-Meselaty K, Badr-El-Dine M, Mandour M et al. Endoscope affects decision making in cholesteatoma surgery. Otolaryngol Head Neck Surg.2003; 129:490-496

Min-Beom Kim, MD, Choi J Lee J Park J, et al. Hearing outcomes according to the types of mastoidectomy: a comparison between canal wall up and canal wall down mastoidectomy. Clin Exp Otorhinolaryngol. 2010 December; 3(4): 203–206

MacElveen JT, Chung AT. Reversible canal wall down mastoidectomy for acquired cholesteatomas:preliminary results. Laryngoscope 2003;113(1):1027-33

Vartiainen E. Ten-year results of canal wall down mastoidectomy for acquired cholesteatoma. Auris Nasus Larynx 2000;27(3)_227-9

Como Citar

Sousa, A. C., Henriques, V., Teles, R., Caselhas, S., Estevão, R., Fonseca, R., Fernandes, Ângelo, & Fernandes, F. (1). Mastoidectomia canal wall up versus canal wall down - 10 anos de experiência. Revista Portuguesa De Otorrinolaringologia E Cirurgia De Cabeça E Pescoço, 51(2), 109-112. https://doi.org/10.34631/sporl.20

Edição

Secção

Artigo de Revisão

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)

<< < 1 2 3 > >>