Tratamento de herniações meningoencefálicas do osso temporal no Hospital Egas Moniz

Autores

  • Filipa Oliveira Médica de Otorrinolaringologia do Hospital Egas Moniz – Centro Hospitalar Lisboa Ocidental, Portugal
  • Vítor Oliveira Médico de Otorrinolaringologia do Hospital Egas Moniz – Centro Hospitalar Lisboa Ocidental, Portugal
  • Pedro Escada Chefe de Serviço de Otorrinolaringologia do Hospital Egas Moniz – Centro Hospitalar Lisboa Ocidental, Portugal
  • Gonçalo Neto de Almeida Assistente Graduado de Neurocirurgia do Hospital Egas Moniz – Centro Hospitalar Lisboa Ocidental, Portugal
  • Pedro Sousa Assistente de Otorrinolaringologia do Hospital Egas Moniz – Centro Hospitalar Lisboa Ocidental, Portugal
  • Madeira da Silva Director do Serviço de Otorrinolaringologia do Hospital Egas Moniz - Centro Hospitalar Lisboa Ocidental, Portugal

DOI:

https://doi.org/10.34631/sporl.19

Palavras-chave:

Herniação meningoencefálica, fístula de líquor, osso temporal, defeito do tegmen, abordagens cirurgicas

Resumo

As herniações meningoencefálicas do ouvido médio, através dum defeito no osso temporal, são uma condição rara e potencialmente fatal. Como tal, o tratamento preconizado é a reparação do defeito meningoencefálico e da base do crânio de forma a prevenir a meningite e possibilitar a restauração da audição. Neste trabalho apresenta-se cinco casos clínicos de herniações meningoencefálicas tratadas no Serviço de Otorrinolaringologia do Hospital Egas Moniz, descrevendose a etiopatogenia e a opção das abordagens cirúrgicas das mesmas. Todos os doentes do estudo tiveram um follow-up mínimo de 3 meses, verificando-se a cura cirúrgica da herniação meningoencefálica, bem como uma melhoria da audição. As herniações meningoencefálicas e as fístulas de líquor no osso temporal na idade adulta são uma patologia pouco frequente. Um cirurgião otológico deverá ter a capacidade de fazer o seu diagnóstico e, de acordo com a sua experiência cirúrgica, proceder ao seu tratamento ou referenciar o doente para um centro com as competências e experiência cirúrgica necessárias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Gurkanlar D, Akyuz M, Acikbas C, Ermol C, et al. Difficulties in treatment of CSF leakage associated with a temporal meningocele. Acta Neurochirurgica. 2007; 149: 1239-1242.

Lundy Larry B, Graham M, kartush J, LaRouere M. Temporal Bone Encephalocele and Cerebrospinal Fluid Leaks. Am J Otol. 1996;17:461-469.

Goddard J, Meyer T, Nguyen S, Lambert P. New Consinderations in the Cause of Spontaneous Cerebrospinal Fluid Otorrhea. Otol Neurol. 2010; 31: 940-945.

Sanna M, Paolo F, Russo A, Falcioni M. Management of Meninencephalic Herniation of the Temporal Bone: Personal Experience and Literature Review. Laryngoscope. 2009; 119:1579-1585.

Feenetra L, Sanna M, Zini C, Gamoletti R, et al. Surgical Treatment of Brain Herniation into the Middle Ear and Mastoid. The American J Otol. 1985; volume 6, number 4.

Gray B, Willinsky R, Rutka J, Tator C. Spontaneous Meningocele, a Rare Middle Ear Mass. Am Soc Neuroradiol. Jan 1995;16:203-207.

Gubbels S, Selden N, Delashaw J, McMenomery S. Spontaneous Middle Fossa Encephalocele and Cerebrospinal Leakage: Diagnosis and Management. Otol Neurol. 2007; 28:1131-1139.

Bovo R, Ceruti S, Padovani R, Martini A. Temporal Bone Brain Herniation-Imaging case of the month. OtolNeurol. 2006; 27: 576-577.

Fisch U, Mattox D. Microsurgery of the skull base. New York: Thieme Medical Publishers, Inc.; 1988.

Fisch U. Infratemporal fossa approach for lesions in the temporalbone and base of the skull. Adv Otorhinolaryngol. 1984;34:254-66.

Como Citar

Oliveira, F., Oliveira, V., Escada, P., de Almeida, G. N., Sousa, P., & da Silva, M. (1). Tratamento de herniações meningoencefálicas do osso temporal no Hospital Egas Moniz. Revista Portuguesa De Otorrinolaringologia E Cirurgia De Cabeça E Pescoço, 51(2), 101-107. https://doi.org/10.34631/sporl.19

Edição

Secção

Artigo de Revisão

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)

<< < 1 2 3