Obstrução nasal no recém-nascido: Dois casos de estenose congénita do orifício piriforme

Autores

  • Alexandra Jerónimo Interna do Internato Complementar do Serviço de ORL do Centro Hospitalar Lisboa Central (CHLC): Hospital de São José, Lisboa, Portugal
  • Ana Casas Novas Interna do Internato Complementar do Serviço de ORL do CHLC: Hospital de Dona Estefânia (HDE), Lisboa, Portugal
  • Inês Moreira Assistente Hospitalar do Serviço de ORL do CHLC: HDE, Lisboa, Portugal
  • Carla Conceição Assistente Hospitalar do Serviço de Neurorradiologia do CHLC: HDE, Lisboa, Portugal
  • Inês Cunha Assistente Hospitalar do Serviço de ORL do CHLC: HDE, Lisboa, Portugal
  • Luísa Monteiro Assistente Hospitalar Graduada e Directora do Serviço de ORL do CHLC: HDE, Lisboa, Portugal

DOI:

https://doi.org/10.34631/sporl.199

Palavras-chave:

estenose congénita do orifício piriforme, recém-nascido, dente incisivo superior único

Resumo

A Estenose Congénita do Orifício Piriforme (ECOP) é uma causa rara de obstrução nasal no recém-nascido, um respirador nasal obrigatório, e por isso potencialmente fatal. Obriga a diagnóstico diferencial com causas mais comuns como a atrésia choanal. Na clínica predominam a apneia episódica e a cianose cíclica, sendo o diagnóstico confirmado imagiologicamente. Pode surgir isoladamente ou associada a alterações crâniofaciais, hipopituitarismo e cromossomopatias. A correcção cirúrgica impõe-se face ao insucesso do tratamento médico. Este artigo tem por objectivo relatar dois casos clínicos de ECOP. O primeiro caso foi diagnosticado à nascença, não apresentava patologia concomitante e estabilizou clinicamente apenas com terapêutica médica. O segundo caso relata lactente de 3 meses, cujo estudo imagiológico identificou dente incisivo superior mediano único, como malformação associada. Pela gravidade da obstrução nasal a abordagem exigiu, para além da terapêutica nasal tópica, a correcção cirúrgica da estenose. Ambas as crianças encontram-se clinicamente bem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Shikowitz MJ. Congenital nasal pyriform aperture stenosis: diagnosis and treatment. International Journal of Pediatric Otorhinolaryngology 2003; 67:635-639.

Brown OE, Myer III CM, Manning SC. Congenital nasal aperture stenosis. The Laryngoscope 1989; 157:39-44.

Belden CJ, Mancuso AA, Schmalfuss IM. CT features of congenital nasal piriform aperture stenosis: initial experience. Radiology 1999; 213:495-501.

Baker KA, Pereira KD. Congenital nasal pyriform aperture stenosis. Operative Techniques in Otolaryngology 2009; 20:178-182.

Osovky M, Aizer-Danon A, Horev G, Sirota L. Congenital pyriform aperture stenosis. Pediatr Radiol 2007; 37:97-99

Lee KS, Yang CC, Huang JK, Chen YC. Congenital pyriform aperture stenosis: surgery and evaluation with three-dimensional computed tomography. The Laryngoscope 2002; 112: 918-21.

Devambez M, Delattre A, Fayoux P. Congenital nasal pyriform aperture stenosis: Diagnosis and Management. Cleft Palate Craniofac J 2009; 46(3): 262-7.

Lo FS, Lee YJ, Lin SP, Shen EY et al. Solitary maxillary central incisor and congenital nasal pyriform aperture stenosis. Eur J Pediatr 1998; 157;39-44.

Arlis H, Ward RF. Congenital nasal pyriform aperture stenosis: isolated abnormality vs development field defect. Arch Otolaryngol Head and Neck Surg 1992; 118: 989-91.

Hui Y, Friedberg J, Crysdale WS. Congenital nasal pyriform aperture stenosis as a presenting feature of prosencephaly. Int J Pediatr Otorhinolaryngol 1995; 31: 263-274.

Ampudia JMC, Gonzalez PC, Rodriguez H, Poladura MM et al. Anales de Pediatria 2009; 71(3):221-3.

Como Citar

Jerónimo, A., Casas Novas, A., Moreira, I., Conceição, C., Cunha, I., & Monteiro, L. (1). Obstrução nasal no recém-nascido: Dois casos de estenose congénita do orifício piriforme. Revista Portuguesa De Otorrinolaringologia E Cirurgia De Cabeça E Pescoço, 49(4), 273-279. https://doi.org/10.34631/sporl.199

Edição

Secção

Caso Clínico