Aspergilose rinossinusal invasiva

Autores

  • Conceição Peixoto Interna Complementar de ORL – Centro Hospitalar de Coimbra, EPE, Coimbra, Portugal
  • José Bastos Assistente Hospitalar Graduado de ORL – Centro Hospitalar de Coimbra, EPE, Coimbra, Portugal
  • Carlos Ribeiro Director do Serviço de ORL – Centro Hospitalar de Coimbra, EPE, Coimbra, Portugal

DOI:

https://doi.org/10.34631/sporl.183

Palavras-chave:

Aspergilose, rinossinusal, complicações

Resumo

A aspergilose rinossinusal é uma entidade clínica rara. Contudo, particularmente em doentes imunodeprimidos, pode apresentar-se sob a forma de quadros invasivos graves e potencialmente fatais. A identificação desta patologia e das complicações associadas nem sempre é fácil. A divulgação das diferentes apresentações auxilia o diagnóstico.

Os autores apresentam o caso clínico de uma doente com uma forma invasiva fulminante de aspergilose rinossinusal, onde se sobressaem dificuldades diagnósticas e aspectos terapêuticos relevantes.

O pronto diagnóstico e tratamento podem evitar a elevada mortalidade associada a esta condição. Complicações orbitárias e intracranianas estão entre as mais frequentes e devem ser prontamente identificadas e tratadas. A associação de tratamento médico e cirúrgico é uma boa opção terapêutica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Ramadan H. Sinusitis Fungal. Emedicine; 2009. Consultado a 02 de Abril de 2010.

Coste A, Bretanhe S, Jankowski R. Mycoses rhinosinusiennes. Encycl Méd Chir Oto-rhino-laryngologie. Elsevier. 2003; 20-455-A-10: 6-11.

Patron V, Oreel S, Caire F, et al. Endonasal Trans-Ethmoidal Drainage of a Cerebral Abscess. Skull Base. 2010; 20 (5): 389-392.

Kasapoglu F, Coskun H, Ozmen OA, et al. Acute invasive fungal rhinosinusitis: evaluation of 26 patients treated with endonasal or open surgical procedures. Otolaryngol Head and Neck Surg. 2010; 143(5): 614-620.

Park AH, Muntz HR, Smith ME, et al. Pediatric invasive fungal rhinosinusitis in immunocompromised children with cancer. Otolaryngol Head Neck Surg. 2005; 133(3):411–416.

Finkelstein A, Contreras D , Pardo J, et al. Paranasal sinuses computed tomography in the initial evaluation of patients with suspected invasive fungal rhinosinusitis. European Archives of Oto-Rhino-Laryngology. 2011;268: 1157-1162.

Knipping S , Holzhausen HJ, Koesling S, et al. Invasive aspergillosis of the paranasal sinuses and the skull base. European Archives of Oto-Rhino-Laryngology. 2007; 264 (10): 1163-1169.

Souza ATCL, Soares YCMM, Valentim Filho J, Santos P C R, et al. Aspergioma de seio frontal com expansäo para a órbita: revisão. J Bras Med. 1995; 69(5/6): 124-31.

Mannning S. Fungal Sinusitis. Rhinology and Sinus Disease. A Problem-Oriented Aproach. 1998; 12: 99-104.

Dornbusch H J, Manzoni P, Roilides E, Walsh TJ, Groll AH. Invasive Fungal Infections in Children. Pediatr Infect Dis J. 2009; 28(8):734-737.

Herbrecht R, Denning D, Patterson T, et al. Voriconazole versus Anphotericin B for primary therapy of Invasive Aspergillosis. N Engl J Med. 2002; 347: 408-415.

Como Citar

Peixoto, C., Bastos, J., & Ribeiro, C. (1). Aspergilose rinossinusal invasiva. Revista Portuguesa De Otorrinolaringologia E Cirurgia De Cabeça E Pescoço, 49(3), 185-187. https://doi.org/10.34631/sporl.183

Edição

Secção

Caso Clínico

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)

1 2 3 > >>