Infecções cervicais – Casuística dum serviço de ORL

Autores

  • Sonia Pereira Interna do Internato Complementar de Otorrinolaringologia do Centro Hospitalar de Lisboa Central – Hospital de São José, Lisboa, Portugal
  • José Araújo Martins Interno do Internato Complementar de Otorrinolaringologia do Centro Hospitalar de Lisboa Central – Hospital de São José, Lisboa, Portugal
  • Ana Casas Novas Interna do Internato Complementar de Otorrinolaringologia do Centro Hospitalar de Lisboa Central – Hospital de São José, Lisboa, Portugal
  • Rudolfo Montemor Interno do Internato Complementar de Otorrinolaringologia do Centro Hospitalar de Lisboa Central – Hospital de São José, Lisboa, Portugal
  • Sara Baptista Assistente Hospitalar do Serviço de ORL do Centro Hospitalar de Lisboa Central – Hospital de São José, Lisboa, Portugal
  • Cristóvão Ribeiro Assistente Hospitalar do Serviço de ORL do Centro Hospitalar de Lisboa Central – Hospital de São José, Lisboa, Portugal
  • Ezequiel Barros Chefe de Serviço do Serviço de ORL do Centro Hospitalar de Lisboa Central – Hospital de São José, Lisboa, Portugal

DOI:

https://doi.org/10.34631/sporl.172

Palavras-chave:

infecções cervicais profundas, morbilidade, mortalidade, imunossupressão, co-morbilidades, patologia oro-faríngea, complicações, mediastinite

Resumo

Atendendo à complexidade, localização profunda e morbilidade das infecções cervicais, o seu diagnóstico e tratamento persistem um desafio médico-cirúrgico. Com ponto de partida muitas vezes nos espaços periamigdalinos e parafaríngeos, os especialistas de Otorrinolaringologia (ORL) são frequentemente chamados a lidar com situações clínicas problemáticas.

No intuito de analisar os casos de infecção cervical observados em ORL nos últimos 5 anos, procedeu-se a um estudo retrospectivo dos doentes internados com este diagnóstico no Serviço do Hospital de São José desde Janeiro de 2004. Constatou-se elevada prevalência de infecções peri- -amigdalinas, com baixa morbilidade quando submetidas a tratamento adequado. A complicação mais grave, rara e com elevada mortalidade foi a mediastinite necrosante, muitas vezes associada a outras doenças sistémicas.

Dada a elevada prevalência de pontos de partida orofaríngeos destas infecções, o Otorrinolaringologista deve estar particularmente atento. São fundamentais o diagnóstico atempado e a instituição precoce de terapêutica médico-cirúrgica adequada, para um prognóstico favorável.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Murray AD, Marcincuk AC. Deep neck infections. 2009. www.emedecine.pt. Acedido em Abril 1, 2010.

Jennings CR. Surgical anatomy of the neck. Em: Valery J Lund (Ed.) Scott-Brown’s Otorhinolaryngology, Head & Neck Surgery, 7th ed, London, Hodder Arnold. 2008; 2(137):1739-1753.

Boscolo-Rizzo P, Marchiori C, Montolli F, Vaglia A et al. Deep neck infections: a constant challenge. J Otorhinolaryngol 2006 May; 68(5): 259-265.

Eftekharian A, Roozbahany NA, Vaezeafshar R, Narimani N. Deep neck infections: a retrospective review of 112 cases. Eur Arch Otorhinolaryngol. 2009 Feb; 266(2):273-277.

Suehara AB, Gonçalves AJ, Alcadipant FA, Kavabata NK et al. Infecções cervicais profundas: análise de 80 casos. Rev Bras Otorrinolaringol 2008 Abr; 74(2):253-259.

Como Citar

Pereira, S., Martins, J. A., Casas Novas, A., Montemor, R., Baptista, S., Ribeiro, C., & Barros, E. (1). Infecções cervicais – Casuística dum serviço de ORL. Revista Portuguesa De Otorrinolaringologia E Cirurgia De Cabeça E Pescoço, 49(3), 139-145. https://doi.org/10.34631/sporl.172

Edição

Secção

Artigo Original

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)

<< < 1 2 3 4 > >>