Preservação da função no tratamento de tumores da laringe: resultados de laringectomia supraglótica

Autores

  • Pedro Cavilhas Hospital Egas Moniz, Centro Hospitalar de Lisboa Ocidental, EPE, Lisboa, Portugal
  • Alexandra Jerónimo Hospital de São José, Centro Hospitalar de Lisboa Central, EPE, Lisboa, Portugal
  • Ricardo Pacheco Instituto Português de Oncologia de Lisboa, Francisco Gentil, EPE, Lisboa, Portugal
  • Hugo Estibeiro Instituto Português de Oncologia de Lisboa, Francisco Gentil, EPE, Lisboa, Portugal
  • Rui Fino Instituto Português de Oncologia de Lisboa, Francisco Gentil, EPE, Lisboa, Portugal
  • Luís Oliveira Instituto Português de Oncologia de Lisboa, Francisco Gentil, EPE, Lisboa, Portugal
  • Lígia Ferreira Instituto Português de Oncologia de Lisboa, Francisco Gentil, EPE, Lisboa, Portugal
  • Pedro Montalvão Instituto Português de Oncologia de Lisboa, Francisco Gentil, EPE, Lisboa, Portugal
  • Miguel Magalhães Instituto Português de Oncologia de Lisboa, Francisco Gentil, EPE, Lisboa, Portugal

DOI:

https://doi.org/10.34631/sporl.133

Palavras-chave:

laringectomia horizontal supraglótica, laringectomia parcial, laringectomia supraglótica, laringectomia

Resumo

Objectivos: A laringectomia horizontal supraglótica (LHS) é uma técnica cirúrgica oncológica que permite a preservação das funções laríngeas da fala e da deglutição com protecção da via aérea baixa, mas com capacidade de exérese tumoral adequada. É objectivo deste trabalho estudar uma série de doentes a quem foi realizada LHS.

Materiais e Métodos: Estudo retrospectivo das LHS realizadas no Serviço de Otorrinolaringologia do IPOLFG entre 2000 e 2010.

Resultados: Realizaram-se 32 LHS das quais 15 (46,9%) foram alargadas (à base da língua ou faringe e/ou 1 aritenóide), sendo as outras 17 (53,1%) não alargadas. Observaram-se 2 recidivas locais, 3 segundos tumores primários e 4 doentes com metástases à distância. Dez doentes (31,3%) permaneciam com SNG ou PEG para alimentação no final do estudo. Verificou-se a existência de associação estatisticamente significativa: (1) entre a divergência do estadiamento cT e pT e a necessidade de cirurgia alargada, (2) entre a realização de cirurgia alargada e a permanência de SNG (ou PEG) por mais de 90 dias e (3) entre a divergência do estadiamento cT e pT e a classificação no grupo que inclui pT3 e pT4a. A taxa de sobrevida estimada foi de 89,7% aos 12 meses e 67,6% aos 60 meses.

Conclusões: Este trabalho revela que a LHS é uma técnica cirúrgica adequada para o tratamento de tumores supraglóticos, com taxas de sobrevida semelhantes a outras séries e com preservação das função laríngeas numa percentagem considerável dos doentes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Karatzanis AD, Psychogios G, Zenk J, Waldfahrer F, et al. Evaluation of available surgical management options for early supraglottic cancer. Head Neck. 2009 Dec. 1;32(8):1048–1055.

Ang KK. Larynx Preservation Clinical Trial Design: Summary of Key Recommendations of a Consensus Panel. The Oncologist. 2010 Oct. 1;15(Supplement 3):25–29.

Tufano RP, Stafford EM. Organ preservation surgery for laryngeal cancer. Otolaryngol Clin North Am. 2008 Aug. 1;41(4):741–55, vi.

del Cañizo-Alvarez A. [More of five decades of supraglottic laryngectomy (Alonso’s technique)]. Acta Otorrinolaringol Esp. 2004 Nov. 1;55(9):430–442.

Cocek A. The history and current status of surgery in the treatment of laryngeal cancer. Acta Medica (Hradec Kralove). 2008;51(3):157–163.

Hoffman HT, Porter K, Karnell LH, Cooper JS, et al. Laryngeal Cancer in the United States: Changes in Demographics, Patterns of Care, and Survival. Laryngoscope. 2006;116(S111):1–13.

Herranz J, Martínez Vidal J, Martínez Morán A. [Supraglottic laryngectomy. Still on-going]. Acta Otorrinolaringol Esp. 2006 May 1;57(5):235–241.

Sessions DG, Lenox J, Spector GJ. Supraglottic Laryngeal Cancer: Analysis of Treatment Results. Laryngoscope. 2005 Aug.;115(8):1402–1410.

Laccourreye L, Garcia D, Ménard M, Brasnu D, et al. Horizontal supraglottic partial laryngectomy for selected squamous carcinoma of the vallecula. Head Neck. 2008 Jun. 1;30(6):756–764.

Shah J. Head & Neck. Surgery & Oncology. 3rd ed. Elsevier Mosby; 2003.

Olias J, de Mendonça FV, Magalhães M, Montalvão P, et al. Cirurgia da laringe. Atlas de Técnicas Cirúrgicas. Guia de Dissecção. 1st ed. Círculo Médico; 2004.

Patel SG, Shah JP. TNM staging of cancers of the head and neck: striving for uniformity among diversity. CA: A Cancer Journal for Clinicians. 2005;55(4):242–58; quiz 261–2, 264.

Sul Registo Oncológico Regional. Incidência no ROR-sul 1998-1999. Registo Oncológico Regional Sul; 2011.

Sul Registo Oncológico Regional. ISM-2000-2001. Incidência, Sobrevivência e Mortalidade do Cancro na Região Sul de Portugal. Registo Oncológico Regional Sul; 2007.

Ragin CCR, Modugno F, Gollin SM. The epidemiology and risk factors of head and neck cancer: a focus on human papillomavirus. J. Dent. Res. 2007 Feb.;86(2):104–114.

Goldenberg D, Lee J, Koch WM, Kim MM, et al. Habitual risk factors for head and neck cancer. Otolaryngology - Head and Neck Surgery. 2004 Dec.;131(6):986–993.

Network National Comprehensive Cancer. Head and Neck Cancers v.2.2010. NCCN Clinical Practice Guidelines in Oncology; 2010.

Esposito E. Occult lymph node metastases in supraglottic cancers of the larynx. Otolaryngology - Head and Neck Surgery. 2001 Mar. 1;124(3):253–257.

Adamopoulos G, Yotakis I, Apostolopoulos K, Manolopoulos L, et al. Supraglottic laryngectomy--series report and analysis of results. The Journal of laryngology and otology. 1997 Aug.;111(8):730–734.

Altekruse S, Kosary C, Krapcho M, Neyman N. SEER Cancer Statistics Review, 1975-2007. Bethesda: National Cancer Institute; 2009.

Society American Cancer. Laryngeal and Hypopharyngeal Cancer. American Cancer Society [Internet]. 2010;:1–48. Available from:http://www.cancer.org/acs/groups/cid/documents/webcontent/003108-pdf.pdf

Sul Registo Oncológico Regional. Incidência, sobrevivência e mortalidade de todos os tumores na população portu- guesa adulta na região sul de Portugal no período 2002/2003. Lisboa: Registo Oncológico Regional Sul; 2011.

Sul Registo Oncológico Regional. Incidência, sobrevivência e mortalidade de todos os tumores na população portuguesa adulta na região sul de Portugal no período 2004/2005. Lisboa: Registo Oncológico Regional Sul; 2011.

Lefebvre J-L, Ang KK. Larynx preservation clinical trial design: Key issues and recommendations-A consensus panel summary. Head Neck. 2009 Apr. 1;31(4):429–441.

Como Citar

Cavilhas, P., Jerónimo, A., Pacheco, R., Estibeiro, H., Fino, R., Oliveira, L., Ferreira, L., Montalvão, P., & Magalhães, M. (1). Preservação da função no tratamento de tumores da laringe: resultados de laringectomia supraglótica. Revista Portuguesa De Otorrinolaringologia E Cirurgia De Cabeça E Pescoço, 50(1), 39-46. https://doi.org/10.34631/sporl.133

Edição

Secção

Artigo Original

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)

1 2 3 4 > >>