Angiofibroma juvenil da nasofaringe - Podemos dispensar a embolização pré-operatória?

  • Joana Filipe Interna do Internato Complementar do Serviço de ORL II do Centro Hospitalar Lisboa Norte (CHLN) - Hospital Pulido Valente (HPV), Portugal
  • Teresa Matos Interna do Internato Complementar do Serviço de ORL II do CHLN - HPV, Portugal
  • Helena Ribeiro Interna do Internato Complementar do Serviço de ORL II do CHLN - HPV, Portugal
  • Luis Tomás Assistente Hospitalar Graduado do Serviço de ORL II do CHLN - HPV, Portugal
  • Paulo Borges Dinis Assistente Hospitalar Graduado do Serviço de ORL II do CHLN - HPV, Portugal
Palavras-chave: angiofibroma juvenil da nasofaringe, cirurgia endoscópica, fossa ptérigo-palatina, embolização vs nãoembolização

Resumo

O Angiofibroma juvenil da nasofaringe é uma mal-formação vascular rara, com aparente origem no buraco esfeno-palatino, mais frequente em jovens adolescentes do sexo masculino que assume, não raras vezes, um comportamento local agressivo, a que se associa um risco elevado de hemorragia. A angiografia assume um papel preponderante no diagnóstico e a embolização pré-operatória da lesão é recomendada por muitos autores, de forma a diminuir a hemorragia intraoperatória que pode pôr em risco a vida do doente. Este procedimento não está isento de complicações, exigindo a colaboração de centros de imagiologia experimentados na técnica.

Apresenta-se o caso clínico de um doente do sexo masculino, de 16 anos de idade, com um Angiofibroma grau II de Fisch, não submetido a embolização pré-cirúrgica, cuja ressecção por cirurgia endoscópica endonasal foi precedida da clampagem da artéria maxilar interna na fossa pterigopalatina, passo cirúrgico considerado determinante para a posterior excisão tumoral, uma vez que garante um controlo "nãotromboembólico" da hemorragia intra-operatória, e permite contornar a problemática da embolização pré-cirúrgica.

Downloads

Não existe ainda disponível informação de downloads.

Referências

Lund V, Stammberger H, Nicolai P, Castelnuovo P. European position paper on endoscopic management of tumours of the nose, paranasal sinuses and skull base. Rhinology 2010; 22: 31-37

Lee J, Keschner D, Kennedy D. Endoscopic resection of juvenile nasopharyngeal angiofibroma. Elsevier – Operative Techniques in Otolaryngology 2010; 21: 56-65

Midilli R, Karci B, Akyldiz S. Juvenile nasopharyngeal angiofibroma: Analysis of 42 cases and important aspects of endoscopic approach. Elsevier – International Journal of Pediatric otorhonolaryngology 2009; 73: 401-408

Michael Gleeson. Scott Brown’s Otorhinolaryngology – Head and Neck Surgery: Juvenile Angiofibroma - 7th Edition; 187: 2437-2443

Windfuhr J, Remmert S. Extranasopharyngeal Angiofibroma: Etiology, Incidence and Management. Acta otolaryngol 2004; 124:880-889

Roger G, Huy P, Froehlich P, Abbeele T. Exclusively Endoscopic Removal of Juvenile Nasopharyngeal Angiofibroma. Arch Otolayngol Head Neck Surg 2002; 128: 928-935

Wormald P, Hasselt A. Endoscopic removal of juvenile angiofibromas. Otolaryngol Head Neck Surg 2003; 129: 684-691

Mansfield E, Shuler F, Uretsky I, Moody D, et al. Angiofibroma. Jun 2006 [e-medicine]

Alves F, Granato L, Maia M, Lambert E. Acessos Cirúrgicos no Angiofibroma Nasofaríngeo Juvenil – Relato de Caso e Revisão de Literatura. Arq. Int. Otorrinolaringol. 2006; 10(2): 162-166

Petruson K, Catarino M, Petruson B, Finizia C. Juvenile Nasopharyngeal Angiofibroma: Long-term Results in Preoperative Embolized and Non-embolized Patients. Acta Otolaryngol 2002; 122:96-100

Ahmad R, Ishlah W, Azilah N, Rahman J. Surgical Mangement of Juvenile Nasopharyngeal Angiofibroma Without Angiographic Embolization. Asian Journal of Surgery 2008; 31(4): 174-178

Como Citar
Filipe, J., Matos, T., Ribeiro, H., Tomás, L., & Dinis, P. B. (1). Angiofibroma juvenil da nasofaringe - Podemos dispensar a embolização pré-operatória?. Revista Portuguesa De Otorrinolaringologia E Cirurgia De Cabeça E Pescoço, 50(3), 259-263. Obtido de https://journalsporl.com/index.php/sporl/article/view/124
Secção
Caso Clínico