Sensibilidade e especificidade da laringoscopia indirecta e nasofibroscopia laríngea na detecção de lesões malignas e pré-malignas da laringe

  • Filipe M. Ramos Licenciado em Medicina, Interno Complementar de ORL, Hospital de São João, Faculdade de Medicina do Porto, Portugal
  • Tiago Órfão Licenciado em Medicina, Interno Complementar de ORL, Hospital de São João, Portugal
  • João Laranjeiro Licenciado em Medicina, Interno Complementar de ORL, Hospital de São João, Portugal
  • Manuel Garcia Ribeiro Licenciado em Medicina, Assistente Hospitalar Graduado, Hospital de São João, Portugal
  • Margarida Santos Licenciada em Medicina, Directora de Serviço, Hospital de São João, Portugal
Palavras-chave: Laringoscopia indirecta, nasofibroscopia laríngea, patologia laríngea neoplásica

Resumo

Introdução: A laringoscopia indirecta complementada com a nasofibroscopia laríngea é o método mais frequente de avaliação na suspeita de patologia laríngea neoplásica. Com este trabalho pretende determinar-se a sensibilidade e especificidade destes métodos e inferir sobre o seu impacto na estratégia terapêutica.

Material e Métodos: Foram analisados retrospectivamente os processos clínicos de consulta e internamento de 314 doentes que realizaram microlaringoscopia em suspensão diagnóstica ou terapêutica entre 2005 e 2010 no Serviço de ORL do Hospital de São João. Foram observados os registos clínicos préoperatórios e a prioridade de inscrição da proposta cirúrgica e confrontados os resultados com os dados da anatomia patológica. Foi determinada a sensibilidade da laringoscopia indirecta associada à nasofibrocopia comparativamente ao padrão escolhido – o estudo anatomopatológico.

Resultados e Conclusões: A laringoscopia indirecta e a nasofibroscopia laríngea são altamente sensíveis e específicas para a detecção de lesões malignas e pré-malignas da laringe. Estudos prospectivos são no entanto necessários para aferir o seu verdadeiro valor.

Downloads

Não existe ainda disponível informação de downloads.

Referências

Arens C, Reussner D, Woenkhaus J, Leunig A, et al Indirect fluorescence laryngoscopy in the diagnosis of precancerous and

cancerous laryngeal lesions. Eur Arch Otorhinolaryngol. 2007 Jun;264(6):621-6.

Kraft M, Betz CS, Leunig A, Arens C. Value of fluorescence endoscopy for the early diagnosis of laryngeal cancer and its precursor lesions. Head Neck. 2010 Nov 29.

Rydell R, Eker C, Andersson-Engels S, Krogdahl A, et al. Fluorescence investigations to classify malignant laryngeal lesions in vivo. Head Neck 2008; 30:419–426.

Zargi M, Fajdiga I, Smid L. Autofluorescence imaging in the diagnosis of laryngeal cancer. Eur Arch Otorhinolaryngol 2000;257:17–23.

Le Corre A, Genevois A, Benichou J, Petit J, Veber B, Dureuil B. [Interpretation of standard chest x-rays in thoracic trauma: influence of the experience of the interpreter]. Ann Fr Anesth Reanim. 1999 May;18(5):503-8.

Jepsen JR, Laursen LH, Hagert CG, Kreiner S, Diagnostic accuracy of the neurological upper limb examination I: inter-rater reproducibility of selected findings and patterns.BMC Neurol. 2006 Feb 16;6:8.

Como Citar
Ramos, F. M., Órfão, T., Laranjeiro, J., Ribeiro, M. G., & Santos, M. (1). Sensibilidade e especificidade da laringoscopia indirecta e nasofibroscopia laríngea na detecção de lesões malignas e pré-malignas da laringe. Revista Portuguesa De Otorrinolaringologia E Cirurgia De Cabeça E Pescoço, 50(3), 211-213. Obtido de https://journalsporl.com/index.php/sporl/article/view/114
Secção
Artigo Original