Surdez em São Tomé e Príncipe: Análise de 2 anos de missões humanitárias

Cristina Paiva Chaves Caroça, Paula Campelo, Susana Nunes Silva, João Paço

Resumo


Introdução: A audição é um importante sentido para a integração de um indivíduo na comunidade, por esse motivo é importante a identificação dos fatores associados à surdez. Neste trabalho propomos revelar os dados audiológicos verificados durante 2 anos de missões humanitárias de Otorrinolaringologia e a identificação de eventuais fatores de risco para a surdez.

Desenho do Estudo - Material e Métodos: Avaliámos todos os indivíduos que procuraram a consulta de audiologia no decurso das missões humanitárias em São Tomé e Príncipe de 2012 a 2014. Foram observados por um médico de otorrinolaringologia, onde para além de observação foi efetuado um questionário clínico onde foram pesquisados fatores de risco (história familiar de surdez, co-sanguinidade, história de malária clínica, terapêutica antimalárica, história gestacional e peri-parto, história otítica, história de traumatismo craniano) e realizada avaliação audiológica por um audiologista. Os dados foram processados e analisados numa base de dados da IBM SPSS 20.0.

Resultados: Dos 721 indivíduos observados, foram excluídos 77 por não conterem registo de avaliação audiológica, obtendo 644 registos clínicos para o estudo. Verificámos uma prevalência de surdez neurossensorial de 35,7%, surdez de condução de 2,9% e mista de 1,9%. Os restantes indivíduos eram normouvintes (59,5%). Destes indivíduos normouvintes, 26% eram indivíduos apenas com um ouvido ouvinte – surdez unilateral. Dos factores de risco analisados a história de malária clínica foi o único factor de risco que se revelou mais significativo.

Discussão: A prevalência de surdez na amostra avaliada foi elevada, afastando-se dos valores esperados. Numa população de um país subdesenvolvido, e de acordo com os dados da Organização Mundial de Saúde, seria de esperar uma maior prevalência da surdez de condução e mista. No entanto, neste trabalho verificamos uma maior prevalência da surdez neurossensorial. A malária ou mesmo a terapêutica instituída no seu tratamento podem estar a contribuir para os resultados audiológicos obtidos.

Conclusão: A surdez nem sempre tem uma causa única. Existem um conjunto de fatores que ao interagirem podem desencadear o aparecimento de surdez. Neste trabalho a malária revelou ser o fator de risco mais significativo na associação com a surdez neurossensorial em São Tomé e Príncipe. Mais estudos estão a ser realizados na identificação de outros fatores de risco.


Palavras-chave


Malária; São Tomé e Príncipe; Surdez Neurossensorial

Texto Completo:

PDF

Referências


Olusanya BO, Neumann KJ, Saunders JE. The global burden of disabling hearing impairment: a call to action. Bull World Health Organ; 2014 p. 367–73.

Plano de apresentação Considerações metodológicas Estrutura da população Dinâmica da população Condições de vida das famílias. 2012;2012.

4a Reunião dos Ministros da Saúde dos Pequenos Estados Insulares em Desenvolvimento da Região Africana 16-18 de abril 2013. 2013.

WHO. Country Profiles. World Malaria Report. WHO; 2014. 140 p.

Who N. Media centre Many countries lack capacity to prevent and treat hearing loss. WHO. 2014. p. 12–4.

Lasisi O a, Ayodele JK, Ijaduola GT a. Challenges in management of childhood sensorineural hearing loss in sub-Saharan Africa, Nigeria. Int J Pediatr Otorhinolaryngol. 2006 Apr;70(4):625–9.

Morzaria S, Westerberg BD, Kozak FK. Systematic review of the etiology of bilateral sensorineural hearing loss in children. Int J Pediatr Otorhinolaryngol. 2004 Sep;68(9):1193–8.

Zakzouk SM, Al-Anazy F. Sensorineural hearing impaired children with unknown causes: a comprehensive etiological study. Int J Pediatr Otorhinolaryngol. 2002 May 31;64(1):17–21.

Shet A. Congenital and perinatal infections: throwing new light with an old TORCH. Indian J Pediatr. 2011 Jan;78(1):88–95.

WHO. Immunization Profile - Sao Tome and Principe [Internet]. 2013. p. 1–12. Available from: http://apps.who.int/vaccines/globalsummary/immunization/countryprofileresult.cmf?C=stp

Zhao SZ, Mackenzie IJ. Deafness: malaria as a forgotten cause. Ann Trop Paediatr. 2011 Jan;31(1):1–10.

Schmutzhard J, Kositz CH, Lackner P, Pritz C, Glueckert R, Fischer M, et al. Murine cerebral malaria: histopathology and ICAM 1 immunohistochemistry of the inner ear. Trop Med Int Health. 2011 Aug;16(8):914–22.

Schmutzhard J, Kositz CH, Lackner P, Dietmann A, Fischer M, Glueckert R, et al. Murine malaria is associated with significant hearing impairment. Malar J. 2010 Jan;9:159.

Freeland A, Jones J, Mohammed NK. Sensorineural deafness in Tanzanian children--is ototoxicity a significant cause? A pilot study. Int J Pediatr Otorhinolaryngol. Elsevier Ireland Ltd; 2010 May;74(5):516–9.

Gürkov R, Eshetu T, Miranda IB, Berens-Riha N, Mamo Y, Girma T, et al. Ototoxicity of artemether/lumefantrine in the treatment of falciparum malaria: a randomized trial. Malar J. 2008 Jan;7:179.

Carrara VI, Phyo AP, Nwee P, Soe M, Htoo H, Arunkamomkiri J, et al. Auditory assessment of patients with acute uncomplicated Plasmodium falciparum malaria treated with three-day mefloquine-artesunate on the north-western border of Thailand. Malar J. 2008 Jan;7:233.

Hutagalung R, Htoo H, Nwee PAW, Arunkamomkiri J, Zwang J, Nosten F. A CASE-CONTROL AUDITORY EVALUATION OF PATIENTS TREATED WITH. Trop Med. 2006;74(2):211–4.

Roche RJ, Silamut K, Pukrittayakamee S, Looareesuwan S, Molunto P, Boonamrung S, et al. Quinine induces reversible high-tone hearing loss. Br J Clin Pharmacol. 1990 Jun;29(6):780–2.

Burch-Sims GP, Matlock VR. Hearing loss and auditory function in sickle cell disease. J Commun Disord. 2005;38(4):321–9.

Mgbor N, Emodi I. Sensorineural hearing loss in Nigerian children with sickle cell disease. Int J Pediatr Otorhinolaryngol. 2004 Nov;68(11):1413–6.

Kuzniewicz MW, Wickremasinghe a. C, Wu YW, McCulloch CE, Walsh EM, Wi S, et al. Incidence, Etiology, and Outcomes of Hazardous Hyperbilirubinemia in Newborns. Pediatrics. 2014;4–11.

Worley G, Erwin CW, Goldstein RF, Provenzale JM, Ware RE. Development of SensorineuraI Hearing Loss After Neonatal Hyperbilirubinemia : A Case Report with Brain Magnetic Imaging Delaved. Dev Med Child Neurol. 1996;38:271–7.


Apontadores

  • Não há apontadores.




 

SPORL Journal - Revista Portuguesa de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial - ISSN 0873-3864 | eISSN 2183-752X