Tumores do espaço parafaríngeo: Experiência de 10 anos do IPO-LFG

Isabel Correia, Margarida Boa-vida, Inês Delgado, Rui Cabral, Ana Hebe, Rui Fino, Pedro Montalvão, Miguel Magalhães

Resumo


Introdução: As neoplasias do espaço parafaríngeo são raras, representando apenas 0,5% dos tumores da cabeça e pescoço. A maioria são benignas, mas uma ampla variedade de patologias benignas e malignas podem ser encontradas neste espaço, o que cria desafios complexos de diagnóstico e tratamento.

Objetivo: Descrever e analisar uma série de casos de neoplasias primárias do espaço parafaríngeo tratadas no Instituto Português de Oncologia de Lisboa Francisco Gentil (IPOLFG).

Material e métodos: Estudo retrospetivo, com recolha e análise dos dados dos processos clínicos de tumores primários do espaço parafaríngeo, que foram diagnosticados ou referenciados ao IPOLFG entre 1 de Janeiro de 2003 e 31 de Dezembro de 2013.

Resultados: Foram incluídos 38 doentes. A idade mediana foi de 52 anos (Âmbito Interquartil: 40-63 anos). Dez (26,3%) doentes eram assintomáticos. O sintoma mais comum à apresentação foi a sensação de corpo estranho orofaríngeo (23,7%) e o achado mais frequente foi um abaulamento orofaríngeo (78,4%). Todos os doentes fizeram exames de imagem pré-operatórios: 94,7% tomografia computorizada e 68,4% ressonância magnética. A citologia aspirativa foi realizada em 39,5%. 31 tumores eram benignos (81,6%), sendo os mais frequentes os adenomas pleomórficos (58,1%). 7 eram malignos (18,4%), com os carcinomas exadenomas pleomórficos (28,6%) e os linfomas (28,6%) sendo os mais comuns. 36 doentes (94,7%) foram submetidos a tratamento cirúrgico primário; os outros 2 doentes (5,3%) receberam tratamento não cirúrgico, com quimioterapia e quimioradioterapia, respectivamente. A abordagem cervical foi a mais utilizada (80%). A mandibulotomia foi necessária em apenas 5,7%. A complicação mais frequente foi a neuropatia de pares cranianos de novo, identificada em 22,2%. Destes, 75% foram sequela da resseção de tumores neurogénicos. Todas as neuropatias que resultaram da resseção de tumores não neurogénicos foram transitórias. O follow-up mediano foi de 6,5 anos. A taxa de recorrência foi de 13,5%.

Conclusões: Os tumores do espaço parafaríngeo requerem um elevado índice de suspeição para serem diagnosticados num estadio precoce. A resseção cirúrgica completa é o principal tratamento. A abordagem cirúrgica deve ser selecionada caso a caso, mas a cervical fornece um excelente acesso à maioria dos tumores deste espaço.


Palavras-chave


Tumores do espaço parafaríngeo; tumores da cabeça e pescoço

Texto Completo:

PDF

Referências


Olsen KD. Tumors and Surgery of the Parapharyngeal space. Laryngoscope 1994; 104:1- 25.

Jones A. Tumors of the parapharyngeal space. Em: Gleeson M. Scott Brown´s otorhinolaryngology, head and neck surgery, 7th ed. Edward Arnold; 2008: 2522-39.

Bradley PJ, Bradley PT, Olsen KD. Update on the management of the parapharyngeal tumors. Curr Opin Otolaryngol Head Neck Surg 2011; 19: 92-98.

Gil Z, Fliss DM. Surgical management of parapharyngeal space tumors. Em: Souza C. Atlas of head and neck surgery, 1st ed. Jaypee; 2013: 319-31.

Starek I, Mihal V, Novak Z. Paediatric tumours of the parapharyngeal space. Int J Pediatr Otorhinolaryngol 2004; 68: 601–606.

Riffat F, Dwivedi R, Palme C, Fish B et al. A systematic review of 1143 parapharyngeal space tumors reported over 20 years. Oral Oncology 2014; 50: 421-30.

Cassoni A, Terenzi V, Della Monaca M, et al. Parapharyngeal space benign tumours: our experience. J Craniomaxillofac Surg. 2014; 42(2): 101-5.

Caldarelli C, Bucolo S, Spisni R, Destito D. Primary parapharyngeal tumors: a review of 21 cases. Oral Maxillofac Surg. 2014; 18(3): 283-92.

Kuet M, Kasbekar A, Masterson L, Jani P. Management of tumors arising from the parapharyngeal space: a systematic review of 1293 cases reported over 25 years. Laryngoscope. 2014 Dec 2. doi: 10.1002/lary.25077.

Hughes K, Olsen K, McCaffrey T. Parapharyngeal Space Neoplasms. Head and Neck 1995;17:124-130.

Som P, Biller H, Lawson W, et al. Parapharyngeal space masses: an updated protocol based upon 104 cases. Radiology. 1984; 153: 149-56.

Eisele D, Richmon J. Contemporary evaluation and management of parapharyngeal space neoplasms. The journal of laryngology and otology. 2013; 127: 550-55.

Douville N, Bradford C. Comparison of ultrasound-guided core biopsy versus fine-needle aspiration biopsy in the evaluation of salivary gland lesions. Head Neck, 2013; 35(11): 1657-61.


Apontadores

  • Não há apontadores.




 

SPORL Journal - Revista Portuguesa de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial - ISSN 0873-3864 | eISSN 2183-752X